Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Os nossos leitores têm a palavra

Texto de Ana Rita Sousa*

 

"Há cerca de dois meses atrás fui apanhada de surpresa. Soube que tinha ganho um concurso ao qual tinha quase por engano concorrido.  Um projecto meu tinha sido seleccionado para ser exposto na TokyoDesign Week.  Sendo a primeira vez a ganhar um concurso e também a expor o meu trabalho  fiquei obviamente super entusiasmada e imensamente feliz por isso, mas o facto de ser em Tokyo excedia toda e qualquer felicidade já para não falar em expectativa.

Depois da surpresa, depois de cerca de dois meses super agitados a conciliar horas extra de trabalho e preparação para esta exposição e viagem, há duas semanas atrás rumei a Tokyo com uma mochila cheia de expectativas, curiosidade, desejo de viver intensamente cada momento desta grande experiência.

Depois de 12 horas de avião aterro em Tokyo e antes mesmo de embarcar comecei a sentir me um pouco “Lost in Translation”. Começou a aventura!

Desembarco em Tokyo. Tenho que preencher vários formulários em que me questionam se viajo sozinha, se trago armas ou bombas comigo, se tenho intenções comerciais ou de morte... como assinalei as opções mais aborrecidas, sou considerada uma simples turista e deixam me entrar á vontade no país.

Do aeroporto ao Hostel passei por variadas etapas de transportes públicos, começam os desafios. Apercebo-me que muita gente não fala inglês,  achei que seria exagero o que me tinham dito amigos visitantes e habitantes do país anteriormente, não era exagero.

Esta é a primeira vez que saí da Europa, e num primeiro contacto com a cidade, sou invadida por um sentimento intenso do quão tudo isto é longínquo  de tudo. Isto, digo, país, cultura, ritmo, pessoas, a minha experiência aqui, etc.

Penso na minha terra natal, penso nas pessoas caricatas do Juncal,  penso no ritmo e no movimento daquela vila e penso no quão longínquo soa o Japão  a um habitante de lá que nunca tenha saído do país, por exemplo.

No Japão as pessoas são amarelas, têm olhos em bico e comem arroz com pauzinhos.

No meu primeiro contacto com o Japão  percebi que além das pessoas terem os olhos em bico e de não falarem inglês, as pessoas são também extremamente gentis e meticulosas, com o passar  dos dias vim a concluir que serão concerteza dos povos mais gentis com quem alguma vez lidei.

Em todos os aspectos esta tem sido uma grande e maravilhosa experiência, na maioria dos aspectos uma experiencia de grandes contrastes.

Grande parte do meu tempo nesta viagem foi dedicado à exposição e por isso, o que me resta é muito pouco para explorar tanto como gostaria, de qualquer forma a convivência diária tem sido extremamente interessante e enriquecedora.

Quando se monta uma exposição há sempre mil e uma questões a resolver, mesmo quando é simples e tudo parece ser fácil e rapidamente exequível, há sempre surpresas e contratempos, quando  estamos sozinhos a coisa torna se um bocadinho mais complicada e quando estamos num país em que há imensas barreiras de comunicação pode ser quase grave.

Numa cidade que não dorme, que não pára, em que há milhares de serviços e estabelecimentos 24 horas abertos em funcionamento, em que as mil luzes e néons nunca se apagam, pensamos que tudo toma esse mesmo ritmo alucinante, no entanto nas últimas semanas aprendi a ser mais paciente.

Tudo aqui me demora o dobro ou o triplo do tempo que normalmente me demoraria e sou surpreendida diariamente com a multi-diversidade desta cidade.

Tokyo é um conjunto de diversas pequenas cidades, todas elas se distinguem, umas com mais ou menos semelhanças entre si, no geral há lugar para um pouco de tudo.

Templos e arranha céus co-habitam os mesmos espaços e senhoras vestindo tradicionais kimonos passeiam regularmente  por entre ruas das lojas mais chiques e caras.

Num comboio extra rápido (Shinkansen) a caminho de Kyoto, uma senhora ofereceu-me uma tangerina. Não tenho medo que esteja envenenada.

Outra coisa interessante, e que para mim é um contraste ao pensamento geral de que todas as grandes cidades são perigosas e violentas. Não senti qualquer receio ou perigo e não vi nada que se salientasse à habitual ordem da cidade, tenho diariamente e maioritariamente  estado sozinha por toda a cidade às mais diversas horas de noite e de dia.

Já quase no final da minha viagem, e depois de um dia de observatórios modernos em arranha céus citadinos, saí de Tokyo por um dia rumo à zona de Hakone.

Hakone é uma zona, entretanto turística, onde se organiza um percurso entre vários transportes, comboios locais, teleféricos, e no final um barco que atravessa o lago  Ashi. De vários pontos é possível vislumbrar o belo Monte Fuji, um vulcão adormecido, e também o ponto  mais alto no Japão com 3776 metros.

Como disse no dia anterior tinha passeado por entre gigantes arranha céus, entre observatórios que mostram uma paisagem nunca antes vista, distancias a perder de vista de casas e prédios sem fim. Algumas horas depois e à distância de pouco mais de 90 km, estou num hot spring entre senhoras japonesas.

Os hot springs, são os famosos banho quentes em piscinas, ora naturais ora artificiais e que são abundantes nesta zona. Nestas piscinas pouco fundas, fumegantes, ao ar livre, neste caso rodeada por montanhas,  uma senhora à entrada diz me algumas vezes certificando se que não ia enganada, “naked!” senhoras e senhores banham-se em piscinas distintas.

A vista é deliciosa e depois deste percursos e vários transportes, de muitos disparos de muitas exclamações de admiração entre turistas maioritariamente japoneses, volto a Tokyo, que continua ao mesmo ritmo alucinante.

Adolescentes extravagantes, acotovelam-se entre si, riem-se e apontam para mim com um ar divertido. O “estatuto Ocidental”, se é que existe, sente-se por vezes quase de forma pesada no Japão. Penso que o facto de ser rapariga com ar de garota e sozinha não ajudou a passar despercebida. E assim sendo outros ocidentais também não passam despercebidos, retribuindo sorrisos e conversas banais em inglês.

Já em Kyoto, voltei a experienciar a gentileza dos japoneses. Um amigo finlandês esteve na cidade a estudar o ano passado, ao saber que eu estava lá, pôs me em contacto com alguns amigos. Sem nos conhecermos, sábado à noite, foram me buscar ao hotel, conduziram-me durante meia hora até outra parte da cidade onde iam cozinhar para outros amigos, estudantes internacionais. Depois de uma noite animada por entre japoneses e ocidentais rendidos à cidade e à cultura, os amigos do meu amigo, conduziram me de volta ao hotel, antes da meia noite quando o hotel fechava.

No dia seguinte, com a minha mochila quase do meu tamanho, tento encontrar um cacifo na estação da cidade para puder passear durante o dia, antes do regresso a Tokyo. Um casal espantado, pergunta me num inglês  rebuscado se preciso de ajuda, também procuram um cacifo para o pequeno troller. Andamos os 3 durante cerca de meia hora à procura de um local na estação onde coubesse a minha mochila, disse lhes várias vezes que deixassem o trolller nos cacifos mais pequenos que iam aparecendo livres. No final ofereceram me para me transportarem no táxi até ao bairro de Gion onde eu queria ir. Disse-lhes que preferia caminhar e ver a cidade até lá de perto, olharam me outra vez espantados e despediram-se calorosamente.

A cidade é riquíssima historicamente, é povoada por mais de 2000 templos no geral e a mistura entre modernidade e tradição é nitidamente mais visível, a cidade moderna não é tão interessante como Tokyo, é preenchida de betão aborrecido e cada canto há uma cerca de verdura grande e intransponível, no interior mais um templo. Quase todos os templos são pagos, cerca de 4 euros por entrada. Mesmo assim, e talvez por ser domingo há pessoas a perder de vista.

Monges, gueixas, turistas japoneses e ocidentais, vendedores de souvenirs e habitantes  povoam  aquelas ruelas num domingo cheio de sol. No final da minha visita dei por mim no complexo de vários templos onde vendas supersticiosas de são populares entre os locais. Nestas placas apelam ao amor eterno, ou a riqueza, ou a sucesso... no final atam estas placas para que os deuses as possam ler!

De volta a Tokyo, experimento por momentos a 1ª classe do mesmo comboio bala. A hospedeira gentilmente me indica o caminha para a carruagem de 2a classe. Já semi instalada para sessão de leitura e musica paras as 2 horas que se seguiam, esqueci o meu modesto piquenique. Já na carruagem sobre lotada de 2ª classe invejo um pouco as elaboradas lancheiras dos outros passageiros. Passados alguns minutos vislumbro a mesma hospedeira com o meu saco de plástico e com ar preocupado entrega me o meu lanche.

No meu último dia em Tokyo, deambulei horas a fio por entre os vários distritos a tentar captar uma última essência daquela cidade incrível. Primeira paragem, mercado de peixe. Este é popular entre turistas que se deslocam cedíssimo para verem gigantes atuns que são leiloados e outras espécies nunca antes vistas para a maioria dos ocidentais.

Com a bateria fraca na minha câmara, tentei memorizar tudo mais precisamente possível, e fiz poucos disparos.

Por norma no final desta visita matinal segue-se um elaborado pequeno-almoço, sendo esta um dos melhores sítios para saborear peixe fresco. Quais cereais com iogurte e torradas com café, aqui come-se peixe cru desde as 6 ou 7 da manhã e filas de gente esperam um lugar nos populares cafés de suchi. Decidi que queria experimentar mesmo com fortes dúvidas acerca da experiência, e uma vez mais, uma experiência a acrescentar à lista de coisas nunca antes vistas ou vividas antes desta que foi uma viagem maravilhosa.

Para trás fica um saco de memórias e um desejo forte de voltar."

 

 

* Ana Rita Sousa, tem 24 anos e é do Juncal. Terminou recentemente o curso de Design Industrial na ESAD das Caldas da Rainha e está a terminar um estágio profissional na Holanda.

O texto que nos enviou, e que agradecemos, relata uma viagem ao Japão, onde expôs um trabalho na Tokyo Design Week.

publicado por Autores do blog às 08:08
endereço do post | comentar | favorito
|
18 comentários:
De Pedro Oliveira a 1 de Dezembro de 2009 às 10:30
Parabéns Rita,
Pelo prémio,pela viagem,pela exposição, por não te esqueceres de onde és, por seres a primeira leitora vila forte a escrever-nos e principalmente pelo texto que nos faz viajar pelo Japão sem sairmos perto do teclado.No final fiquei com uma vontade enorme de conhecer esses sitios fantásticos que descreves-te.
Obrigado
Muita e boa sorte para a tua carreira profissional, em Amesterdão, Japão ou outro qualquer lugar do mundo.
Sou daqueles que tudo fazem para que os jovens saiam do seu "quadrado" mental e dos seus Pais e que façam como tu.
beijinho

De Ana Rita Sousa a 1 de Dezembro de 2009 às 16:30
Muito Obrigada Pedro!
De Pedro Oliveira a 3 de Abril de 2010 às 09:28
Ana Rita,
Ao ler este texto lembrei-me da tua viagem pelo Japão:

http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/1635980.html
De Rafael Marcelino a 1 de Dezembro de 2009 às 18:35
Ana Rita Sousa, ou me engano muito ou é Irmã do Paulo e do Luis. É que pelo nome fico com essa ideia. Era muita pequenina, mas lembro-me da carinha dela, como uma dos Malhós.
Mas ao ler este texto,ainda que longo, fiquei encantado com as novas portas que se abrem a jovens talentos Portugueses e para além fronteiras.
Mais ainda por ser Juncalense. Espero que tenha muitos êxitos na vida e que ande por onde andar mantenha umas boas costelas (Tradições) dos Montes. É que os Montezes nunca esquecem as origens e sempre dão o máximo pela sua Terra-Mãe.Espero que com todos estes considerandos não me tenha enganado no BI...eheheh
BOA SORTE e aposta sempre em Ti.
De Luis Malho a 2 de Dezembro de 2009 às 08:49
A Rita é nossa irmã e temos um enorme orgulho, por aquilo que ela já fez, apesar da idade.

Rita, o Japão foi uma surpresa, também para mim, pelo relato que fizeste, foi pais que nunca me tinha seduzido, até agora...

De anónimo a 2 de Dezembro de 2009 às 10:59
Parabens à redactora.
Não conheço.
*
O que me espantou foi a subjectivização do comentário.
Irmã, cunhada, avô, isso nao interessa...olhemos as pessoas com valor ...sem os laços de casa.
De Marco a 2 de Dezembro de 2009 às 11:30

Bom dia,

Parabéns à Ana Rita, que "conheço" desde muito pequena, somos mais ou menos "vizinhos".

É de facto para mim um prazer ver uma Juncalense , mais um, a ter sucesso pessoal e profissional, isto prova que numa vila como a do Juncal, cheia de pessoas trabalhadoras e humildes, mais ou menos abastadas, há pessoas de grande valor e capazes de levar bem alto o nome da vila do Juncal.

O Japão, país do sol nascente dizem, nunca fui mas sinceramente é um dos países que tinha vontade de conhecer, e após o excelente texto com mais vontade fiquei.

Os meus sinceros cumprimentos à Ana Rita,

P.S. - Mais uma vez ficou provado que há muitos e bons valores no Juncal na Freguesia, porque será que não os querem para cargos de relevo político????
De Marco a 2 de Dezembro de 2009 às 12:07

P.S. - se calhar têm de certeza mais que fazer e onde são verdadeiramente reconhecidos pelo valor que têm. ...
De Pedro Oliveira a 2 de Dezembro de 2009 às 12:38
Bom dia a todos,
Num intervalo de um dia com clientes, queria só reforçar que esta nossa/vossa ideia, dos regulares leitores do VF, não podia ter começado melhor. Que este texto da Rita, seja o "click" para que outros leitores lhe sigam o caminho,ou seja que nos enviem textos.
Nós por cá, agradecemos.

De Vânia Cunha a 2 de Dezembro de 2009 às 14:07
Parabéns à Ana Rita não só pelo trabalho que tem desenvolvido, pelo espírito de iniciativa e pela conquista de um espaço na TokyoDesignWeek onde expôs a sua picknickskirt, mas principalmente pela veracidade com que se dedica aos seus "não-objectos", a tudo o que faz e pela pessoa que é. Tenho muito orgulho em tê-la como minha melhor amiga, como minha irmã, e em relação ao post do "anónimo", não me parece que o reforçar ou valorizar os laços de casa modifique a forma como olhamos para as pessoas com valor, se a Ana Rita, apesar de ainda tão jovem, estar a dar provas do seu talento enquanto designer e é a mulher que é, é muito pelos laços de casa e o valor que lhes dá.
Parabéns Ana Rita;)

Ps: Fiquei com vontade de escrever uns textos, também eu sou leitora assídua.
De Ana Narciso a 2 de Dezembro de 2009 às 22:25
Não conheço nem a Rita nem o Japão... mas fiquei com vontade de conhecer os dois. Claro que a Rita será a primeira. Volte sempre!!
De Anómico a 3 de Dezembro de 2009 às 06:36
A história vivida pela jovem é muito interessante e não escreve nada mal mas é curiosa a forma como por aqui tudo é familiar e caseiro. A haver tantos interessados não parece boa onda começar logo pela irmã dos manos ou então eram sinceros e assumiam logo o saudável orgulho no rebento mais novo do clã, até porque quem faz as regras do blog são os seus editores.
De Pedro Oliveira a 3 de Dezembro de 2009 às 08:29
O raio dos tugas vêem sempre uma mas em tudo....Olhe, eu desfrutei imenso do texto.Era o que faltava era não termos colocado o texto da Rita porque é irmã de dois dos editores,porque era o primeiro da rubrica e as pessoas coisa e tal vão falar.
As coisas boas da vida são para se desfrutar sem condicionalismos.Eu com este texto fiz uma viagem bem colorida ao Japão, e adorei, sem mas.
abraço e volte sempre.
Ah, já me esquecia, sabe o mail para enviar texto, não sabe? Devidamente identificado,claro está.

Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.connosco à mesa

Os nossos convidados

Dr. Miguel Horta e Costa

Eng. Cláudio de Jesus

Dr. Saúl António Gomes

Dra. Isabel Damasceno 

Prof. Júlio Pedrosa 

Cor. Valente dos Santos

 

Os nossos leitores

Ana Rita Sousa

Carlos Sintra

 

O nosso email

 

Siga-nos 

 

.podcast


Curvas do Livramento

oiça os nossos debates

Ed. Zero

Edição 1 - 04/Jun/009

Ed. 1.1 Europeias

Ed. 1.2 Autárquicas

Ed. 1.3 Casamentos Gay

Edição 2 - 30/Jun/009

com Clarisse Louro

Ed. 2.1 Pós Europeias

Ed. 2.2 Legislativas

Ed. 2.3 Autárquicas

Ed. 2.4 PMós 2º Clarisse Louro

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.Últimos Comentários

Special thanks to MrCosmos
The Feedburner expert

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.Quiosque

diários

semanários
  regionais
 
   

.Filme recomendado

 

 

Trailer

 

 

 

.Leitura em curso


A Revolução dos Cravos de Sangue

de Gerard de Villiers

Estamos em Portugal, no rescaldo do 25 de Abril, e Lisboa é um tabuleiro de xadrez onde CIA e KGB jogam uma partida mortal. Os serviços secretos americanos, desesperados por apenas terem sabido do golpe de Estado através dos jornais, esforçam-se para impedir que Portugal caia nas mãos do comunismo. Do outro lado, a KGB tem em mente um plano diabólico e põe em campo os seus melhores agentes. É então que um golpe de teatro promete desequilibrar esta guerra fria. Natália Grifanov, mulher de um poderoso coronel da KGB, está disposta a passar para o Ocidente e a relatar todos os segredos que sabe. Para organizar essa deserção a CIA escolhe o seu melhor agente: Malko Linge. Mas nem ele conseguirá levar a cabo esta missão sem evitar danos colaterais. E é então que, nas ruelas de Alfama e nos palácios da Lapa, entre traições e assassinatos, a Revolução dos Cravos mostra a sua outra face.

E, acredite, não é bonita!

Um thriller soberbo e original, passado no pós 25 de Abril de 1974.


Saida de Emergência

.Contador de visitas

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds