Quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Desculpem lá...não peço desculpa!

Na entrevista que ontem a RTP1 proporcionou ao Primeiro Ministro de Portugal, ficou uma vez mais evidente que os entrevistadores não tiveram grande trabalho.

As respostas estavam preparadas, independentemente das perguntas e foi assim até ao fim.

Ficou também claro que o Primeiro Ministro reconhece que nestes últimos tempos o mundo mudou, mas o seu discurso continua a não mudar.

Afinal a crise que vivemos não decorre apenas daquilo que aconteceu nas últimas semanas. Há mais de um ano que ouvimos ilustres economistas deste país, lançar alertas sobre o mau caminho que o Governo estava a seguir; que não era possivel o equilibrio das finanças Públicas sem "cortar" do lado da despesa e sem aumentar os Impostos. Mas infelizmente o Primeiro Ministro não reconhece que o problema está no erro das suas Politicas dos últimos 6 anos e vê "apenas" no ataque ao Euro a razão desta crise.

Aliás promete mais despesa para daqui a alguns meses. Promete levar por diante as obras faraónicas que tem vindo a anunciar, promete, promete...

Nesta entrevista pudemos observar um Primeiro Ministro igual a si próprio, que ousou pedir um esforço aos Portugueses, quando sabe que o esforço será de grande dimensão; que disse ter feito tudo para não aumentar os impostos, mas que uma vez mais sustentou no aumento dos impostos a solução para reduzir o défice.

Todos sabemos que não é fácil ser Primeiro Ministro numa conjuntura como a actual.

Mas percebe-se que, mais esforço, menos esforço, mais desempregado menos desempregado, mais mês menos mês o País há-de ultrapassar a crise e melhores dias virão.

Vem aí o Verão, as Férias, as Festas, o Mundial e o Benfica foi Campeão.

Afinal estamos em Portugal!

 

 

Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

VERDADE

Sou dos que acham que a mentira tem perna curta. Ou, como diz o ditado popular, que “se apanha mais depressa um mentiroso que um coxo”!

Acho que o seu antónimo, a verdade, é um valor integrante da ética e o principal sustentáculo da credibilidade. Faltar à verdade é mentir, mesmo que por omissão. Esconder a verdade é mentir! Não dizer a verdade toda é igualmente mentir!

Bem sei que a verdade é susceptível de um sem número de contingências. Porque ás vezes não é absoluta, cada um tem a sua sendo, nessas circunstâncias, difícil de apurar. E porque muitas vezes é dura!

Dela se diz que é como o azeite: que vem sempre ao de cima. Infelizmente nem sempre assim é, fica debaixo de muita coisa, escondida. O que não inviabiliza que seja verdade o que para trás foi escrito. O que não invalida que seja, sempre, a mãe da transparência e da credibilidade.

Vem isto a propósito de um tema que aqui abordei recentemente em duas ocasiões, uma a propósito do Orçamento para 2010 e outra a propósito da Mensagem de Natal do Primeiro-ministro (PM).

Em ambas acentuava a necessidade de o governo e o PM falarem verdade ao país. Na última, onde concluía que o PM continuava a optar por esconder a verdade, referia que ainda não me podia pronunciar sobre a mensagem do Presidente da República (PR) porque ela ainda não tinha acontecido, não era de Natal mas sim de Ano Novo.

Agora já o posso fazer e dizer, como unanimemente reconhecido, que o PR falou verdade ao país. Se já toda a gente o disse não acrescentarei nada ao dizê-lo também. Por isso vou virar-me para outro lado.

Tenho visto comentar esta dicotomia entre a verdade expressa pelo PR e a omitida pelo PM numa perspectiva determinística. Isto é, que teria de ser assim. Que o PM não poderia dizer a verdade sobre a situação do país porque isso desmotivaria ainda mais os portugueses. Que o seu papel teria de ser o de puxar pela auto-estima nacional. Ao invés, nessas mesmas opiniões, as palavras de verdade do PR, não produziriam esses efeitos ou, pelo menos, deixariam as coisas mais equilibradas. Ou seja, de um lado estaria um PR pessimista, a alertar para a dura verdade e, do outro, estaria um PM optimista, a puxar pelo ânimo dos portugueses. O que, atendendo ao óbvio confronto aberto entre as duas instituições, até teria que ser entendido com a maior das naturalidades: se as coisas estão como estão, o normal é que se um está de uma lado o outro esteja no oposto!  

Nada me parece mais falso e, pior, mais perigoso.

Sem embarcar no catastrofismo Medina-carreirista, como aqui já dei conta, ou em qualquer outro semelhante dos muitos que por aí proliferam, é evidente para mim e creio que para todos nós, que o discurso do PR corresponde à verdade. Mas, como também sabemos, ele não detém o poder executivo, ou seja não está nas suas mãos outra coisa que não diagnosticar, avisar e recomendar. É ao PM que compete encontrar e implementar soluções!

E é aqui que está o problema. Ninguém procura, e muito menos encontra, soluções para problemas que não existem. Se alguém esconde os problemas como é que pode ter as soluções?

O que se exige ao PM e ao governo é que diga a verdade. Não num tom derrotista, de quem não tem soluções, mas num tom afirmativo e de esperança, de quem conhece os problemas e de quem tem as soluções. Por mais que doam!

Ao não escolher este caminho o PM está, pura e simplesmente, a desacreditar-se. A perder a credibilidade e, ao contrário do que se quer fazer crer, a empurrar para baixo o ânimo dos portugueses e não a puxar para cima a sua auto-estima!

 

 

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.connosco à mesa

Os nossos convidados

Dr. Miguel Horta e Costa

Eng. Cláudio de Jesus

Dr. Saúl António Gomes

Dra. Isabel Damasceno 

Prof. Júlio Pedrosa 

Cor. Valente dos Santos

 

Os nossos leitores

Ana Rita Sousa

Carlos Sintra

 

O nosso email

 

Siga-nos 

 

.podcast


Curvas do Livramento

oiça os nossos debates

Ed. Zero

Edição 1 - 04/Jun/009

Ed. 1.1 Europeias

Ed. 1.2 Autárquicas

Ed. 1.3 Casamentos Gay

Edição 2 - 30/Jun/009

com Clarisse Louro

Ed. 2.1 Pós Europeias

Ed. 2.2 Legislativas

Ed. 2.3 Autárquicas

Ed. 2.4 PMós 2º Clarisse Louro

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.Últimos Comentários

Special thanks to MrCosmos
The Feedburner expert

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.Quiosque

diários

semanários
  regionais
 
   

.Filme recomendado

 

 

Trailer

 

 

 

.Leitura em curso


A Revolução dos Cravos de Sangue

de Gerard de Villiers

Estamos em Portugal, no rescaldo do 25 de Abril, e Lisboa é um tabuleiro de xadrez onde CIA e KGB jogam uma partida mortal. Os serviços secretos americanos, desesperados por apenas terem sabido do golpe de Estado através dos jornais, esforçam-se para impedir que Portugal caia nas mãos do comunismo. Do outro lado, a KGB tem em mente um plano diabólico e põe em campo os seus melhores agentes. É então que um golpe de teatro promete desequilibrar esta guerra fria. Natália Grifanov, mulher de um poderoso coronel da KGB, está disposta a passar para o Ocidente e a relatar todos os segredos que sabe. Para organizar essa deserção a CIA escolhe o seu melhor agente: Malko Linge. Mas nem ele conseguirá levar a cabo esta missão sem evitar danos colaterais. E é então que, nas ruelas de Alfama e nos palácios da Lapa, entre traições e assassinatos, a Revolução dos Cravos mostra a sua outra face.

E, acredite, não é bonita!

Um thriller soberbo e original, passado no pós 25 de Abril de 1974.


Saida de Emergência

.Contador de visitas

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds