Quinta-feira, 12 de Março de 2009

How to stop the drug wars?

 

Noma Bar

A Economist colocou na capa do seu último número a pergunta: How to stop the drug wars?

No artigo lembra que a 26 de Fevereiro de 1909 - há 100 anos - pela primeira vez um grupo de diplomatas reuniram-se em Shangai para combinar esforços de forma a banir o tráfico de droga.

Em 1998 a ONU estabeleceu como objectivo a atingir até 2008, o fim ou uma redução significativa da produção de ópio, cocaína e canabis. Actualmente têm como objectivo apenas estabilizar o mercado.

Na próxima semana, ministros de todo o mundo reunirão em Viena para definir as políticas de combate ao tráfico de droga para a próxima década.

 

Cerca de 5% da população mundial, mais de 200 milhões de pessoas, consome drogas ilegais. Esta percentagem é a mesma de há dez anos atrás.

Os EUA gastam por ano nesta guerra 40 mil milhões de dólares, e detêm um milhão e meio de cidadãos por motivos relacionados com a droga. Mais de meio milhão ficam presos. Este é também o principal motivo para que um em cada cinco afro-americanos tenha sido preso alguma vez na vida.

No México desde Dezembro de 2006, já morreram mais de 800 polícias e soldados no combate à droga.

Todos sabemos porque foi assassinado Nino Vieira.

No Afeganistão os taliban, de novo em alta, financiam a sua guerra contra o mundo ocidental com o tráfico de heroína.

 

O mesmo artigo fala também da lei seca, de Al Capone, da posterior liberalização das bebidas alcoólicas e coloca a questão:

 

Vale a pena continuar a apostar no mesmo modelo, ou a liberalização eliminaria o crime organizado?

 

tags: ,
publicado por Paulo Sousa às 13:18
endereço do post | comentar | favorito
18 comentários:
De Pedro Oliveira a 12 de Março de 2009 às 15:48
Este modelo está visto que não funciona e mata muita gente, nada como mudar.Parece-me lógico a liberalização.
De Si a 12 de Março de 2009 às 15:51
Não acredito que a liberalização resolva alguma coisa no que diz respeito aos consumidores, tal como a liberalização do álcool não diminuiu os que nele se viciam. Pelo contrário, até, se analisarmos o que se passa nos dias de hoje em que a informação é tão massiva, mas as bebidas 'brancas' estão incluídas em cocktails poderosos, servidos em bares e discotecas frequentados por camadas cada vez mais jovens .
Mas a pergunta não era essa, certo? Pois, na minha opinião, ela pouco significaria para o crime organizado, já que, diariamente, se encontram novas drogas, sintéticas e fabricadas em ambientes controlados, que constituem a nova face do mundo dos estupefacientes.
Liberalizar, portanto, em nada resultaria, apenas deslocaria o crime organizado para outras vertentes do mesmo negócio, com a desvantagem enorme de que os produtores das drogas 'antigas' continuassem a fazê-lo num mercado em que ficariam disponíveis e à mão de semear, tal como o álcool, que até já depois de liberalizado, voltou a ser condicionado (com a atribuição de idades mínimas para a sua aquisição).
E depois, esta acaba por ser uma falsa questão, não é? Quando sabemos que o combate seria muito mais eficaz se as próprias entidades por ele responsáveis não estivessem há muito corrompidas...
De Paulo Sousa a 12 de Março de 2009 às 23:01
Si,
Ao fim de 100 anos de proibições não se conseguiu extinguir o consumo, pelo que podemos deduzir, que tal como acontece com o álcool, existirão sempre consumidores.
A liberalização iria era eliminar o crime organizado e o crime que se financia no tráfico ilegal. Como sabemos até o terrorismo recorre ao tráfico de droga para se financiar. No texto é referido o caso do Afeganistão e da Guiné Bissau, mas também as FARC da Colômbia resistem graças à tráfico de cocaína.
Com a liberalização não teríamos um mundo sem consumo de droga, mas sem dúvida que teríamos um mundo com menos criminosos.

De Si a 12 de Março de 2009 às 23:31
Paulo,
Acho que não leu a 2ª parte do meu comentário. A parte dos consumidores não era de facto a questão e a liberalização, no meu entender, só deslocalizaria os criminosos para outro tipo de negócio de estupefacientes, que aliás já está em franco crescimento. Como resultado, não só não se acabaria com o crime organizado, exactamente com a mesma pujança que tem actualmente, como, ainda por cima, ir-se-ia disponibilizar impunemente as drogas actuais
De Paulo Sousa a 12 de Março de 2009 às 23:57
Ok,
Mas a que outro tipo de negócio de estupefacientes se refere? Se um ou outro, qualquer, tipo de negócio de estupefacientes for legal, regulado por lei (pagar impostos e taxas e tiver um circuito de distribuição definido) deixa de existir crime organizado no comércio associado a ele.
É claro que os criminosos terão de se dedicar a outro tipo infracções, como o comércio de órgãos, armas, etc..., mas já viu quantos recursos e vidas que se poupariam no inglório combate ao tráfico de droga?
De Si a 13 de Março de 2009 às 00:14
Continua a não estar de acordo consigo, porque então seria necessária liberalização atrás de liberalização até se atingir um limite de permissividade demasiado perigoso,
Refiro-me, em concreto, às drogas sintéticas, que dantes eram produzidas em laboratórios artesanais, em que os que aí trabalhavam ficavam tão 'agarrados' como os que consumiam, por causa dos vapores, e agora são produzidas em ambientes controlados, com um fabrico de milhares de unidades/dia, que inundam os mercados num ápice.
E quando estas drogas estiverem 'ultrapassadas', porque o vício exige sempre mais, outras surgirão, mas apuradas e focadas para provocar sensações específicas.
Dentro desta nova realidade, acha que a liberalização ainda será a solução???
De Paulo Sousa a 13 de Março de 2009 às 00:27
Em termos do crime organizado que se encarrega do seu fabrico e distribuição, todas as drogas são iguais.
A evolução do conhecimento do sistema nervoso e da sua relação com determinadas substâncias não irá ser interrompido em qualquer um dos cenários. Com ou sem liberalização, dentro de 10 anos existirão certamente novas drogas. Se forem proibidas irá ser arriscado comercializa-las e por isso serão caras, mas acabarão por ser consumidas e, em matéria de crime organizado associado ao tráfico de droga, estaremos sempre na mesma.
De Si a 13 de Março de 2009 às 00:44
Exactamente, Paulo, e enquanto isso, se houver liberalização, outras drogas ficam muitíssimo mais acessíveis ao consumo...
O meu racocínio (embora com as devidas distâncias, obivamente!!) baseia-se um pouco na teoria do hipermercado, em que a facilidade, acessibilidade e diversidade de oferta tentam o consumidor a comprar mais do que o que precisa.
Com a liberalização, seria mais ou menos o que poderia acontecer, tal como aconteceu com o álcool e os exageros e abusos que se cometem,
Mais ainda, o meu raciocínio baseia-se na necessidade que o Homem tem em ter limites e balizas definidas na sua vida, já que será muito mais difícil, perante os nossos filhos, por exemplo, justificar o facto de ser necessário que não consumam determinada substância, quando ela, afinal. é legal, tal e qual como hoje em dia os pais fumadores pouca ou nenhuma moral terão para exigir que os seus filhos não fumem.....
Ou seja, isto ainda dava mto pano para mangas, é o que é....
De violeta a 12 de Março de 2009 às 21:45
e a quem interessa que o tráfico de droga acabe?
até amanhã
bj
De Maria a 13 de Março de 2009 às 09:14
Bom dia,
Concordo totalmente com a opinião do Paulo, a liberalização da comercialização de todo o tido de drogas iria de certeza fazer diminuir a criminalidade associada a este tipo de "comércio".
A liberalização do comércio iria permitir, desde que a fiscalização fosso muito diferente da existente hoje em dia onde só alguns têm de cumprir as obrigações fiscais, aos diversos estados controlar a criminalidade e também arrecadar na teoria muitos milhares de euros em impostos.
Deixo aqui à consideração também a possibilidade de legalizar o negócio do sexo ... e do "negócio" religioso ... Relativamente a este último nas proximidades do local onde se construiu uma basílica que custou pelo menos 80 milhões de euros há gente a mendigar a passar fome ...

Cumprimentos,
De Pedro Oliveira a 13 de Março de 2009 às 09:28
Discussão muito interessante esta e como referi ,também sou adepto da liberalização das drogas e também concordo com mais esta achega da Maria.
Será que o exemplo da Holanda não pode ser seguido por mais Países?
De Jorge Oliveira a 13 de Março de 2009 às 13:56
Não é bonito ver um filho com uma bebedeira, mas não queiram ver um filho com um ressaca de drogas. Nós "todos" já apanhámos uma carraspana, e não somos "todos" alcoólicos por isso, porque sendo o consumo de álcool livre é de baixo custo logo acessível a todos, aconteceria o mesmo com as drogas tipo heroína em caso de liberalização e os nosso filhos com naturalidade a iriam experimentar como nós fizemos com o álcool, no entanto nas drogas normalmente é um caminho sem regresso ou com um regresso demasiado penoso para todos.
A liberalização é sinónimo de derrota, derrota essa que nos traria um preço em vidas incalculável.
De Maria a 13 de Março de 2009 às 14:19

Para umas situações a liberalização a informação a exposição clara das coisas é altamente vantajosa ...

Para outras é o caminho para a decadência e a derrota ...???

Coerência ...
De LR a 13 de Março de 2009 às 15:53
Boa tarde,
Penso que o que o Paulo,Pedro e a Maria estão a defender é a legalização da venda das drogas,com controlo do estado a importação e comercializaçãos das mesmas por entidades autorizadas para tal.Jorge,Si e demais pessoas que estejam contra esta legalização da venda, já viram que ela fosse vendida legalmente que acabam-se os "dealers" e a máfia que anda á volta deste negócio?
Nem de propósito ontem na 2 que no México, nos Estados Unidos e em outros países os principais "dealers" estão ou nas policias ou nos politicos.A legalização tras transparência ao negócio e desmotiva máfias, o memso se passa com o negócio do sexo, é uma vergonha que não seja legalizado, que elas e eles não possam descontar para a segurança social e que não tenham cuidados de saúde assegurados e controlados.
O mundo tem de mudar nos seus dogmas, ainda dizem mal da igreja...
De Portomaravilha a 13 de Março de 2009 às 23:26
Acho que se deve colocar em primeiro lugar, a pergunta seguinte : Porque é que os jovens procuram ir além do que é estabelecido.? Porque é que os jovens brincam com o seu corpo ?

Ninguém, creio eu, poderá impedir que um jovem brinque com as fronteiras da morte.

Manoel de Oliveira, imortalizou, quanto a mim, no Aniki Bobo, esse não receio da morte.

Se já existe, por essência, na idade da adolescência esse jogo da morte , porquê liberalizar a droga ?

É um pouco "fort de café " comparar as bebidas alcoólicas com a liamba, heroína ou ectazy... Os efeitos segundários a extremo curto prazo não são os mesmos.

E Viva o Porto !






De Pedro Oliveira a 14 de Março de 2009 às 21:10

Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds