Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Questões de Fundo #0

 

Existe uma grande falta de debate sobre muitos conceitos abordados diariamente, debate esse que a existir levar-nos-ia a todos a poder escolher mais conscientemente entre as propostas políticas que se nos apresentam.

 

Questões como:

- na política o que distingue a esquerda da direita?

- qual o papel do Estado na sociedade?

- o que é o liberalismo?

- o que é o socialismo?

- o que é a social democracia?

- em que diferem estas três correntes de pensamento?

- ...

 

Não sendo um entendido no assunto vou tentar recolher artigos sobre estes temas na net e aqui os partilhar. Sei que normalmente este tipo de post's não são propícios a comentários, mas de qualquer forma vou tentar fazê-lo regularmente.

 

publicado por Paulo Sousa às 16:01
endereço do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Platypus a 6 de Julho de 2009 às 17:51
Alguém me consegue explicar o porquê de que os partidos da moda (extrema esquerda) são a favor da liberalização das drogas, do aborto, de certos crimes e de muitas outras actividades ainda proibidas, dizendo que quem é contra é retrogrado (a direita) e a favor é avançado (eles). E com tanta liberdade que apregoam, por vezes dá-se uma cambalhota e ser liberal (os tais de direita) passa a ser perdição do mundo.
Sou só eu ou há aqui qualquer coisa que não bate certo.
De Paulo Sousa a 6 de Julho de 2009 às 19:55
Caro Platypus

A questão quer coloca é pertinente.
Nem a direita é dona do liberalismo nem a esquerda é dona da liberdade.
Os factos que refere enquadram-se no liberalismo social. O liberalismo económico, demonizado pela esquerda, tem várias características que o tornam pouco apelativo, sendo que a principal será o facto de exigir aos cidadãos que se esforcem. Em alternativa uma sociedade em que o Estado é pai de todos e tem bolsos sem fundo, que até é capaz de sustentar quem não produz nem nunca produziu, é muito mais agradável.
Existirão vários pontos intermédios entre o liberalismo absoluto (regime nunca posto em prática) e o centralismo absoluto (tipo ex-URSS, Albânia, Coreia do Norte). Algures entre estes dois pontos descaído para a esquerda, encontra-se o socialismo dos PS's europeus. Acham por exemplo que o Estado deve subsidiar os sectores mais importantes, e para conseguir receitas de forma a subsidiar estes sectores estratégicos cobra impostos sobre todo o tecido económico.
Outros modelos, mais descaídos para a direita, como é o caso da Irlanda, optam por reduzir os impostos de uma forma geral estimulando todos os sectores de igual forma, atraem também o investimento estrangeiro e com o crescimento económico conseguido até conseguem mais receitas pelo aumento da base de incidência. Este modelo tem um requisito. Não é praticável num país em que o Estado tenha um peso esmagador, como acontece em Portugal onde consome muito mais de 50% do PIB.
Estou certamente a deixar detalhes importantes para trás, mas toquei de raspão num dos pontos que referi inicialmente e que se prende com o conceito que cada um de nós tem do papel do estado.
Preferimos um estado:
- esmagador na cobrança de impostos (lembrei-me agora da taxa da água do Sr. Salgueiro)
- esmagador a decidir qual o sector a apostar (em que o decisor tem sempre amigos)
- que nos promete levar o pequeno almoço à cama e que acaba ele por estar sempre a dormir.
Ou um estado que:
- funciona com uma estrutura reduzida e económica
- reduz os impostos à iniciativa privada e à criação de emprego
- tem uma estrutura de apoio social reduzida destinada a uma margem da população realmente necessitada

Já me estou a esticar e a sair da sua questão, mas acho que isto dá pano para mangas.
Vamos teclando.
De Eduardo Louro a 7 de Julho de 2009 às 00:23
O tema dá pano para mangas e será de difícil abordagem desta forma. Seria um bom tema para debater a partir de uma plataforma (não, não é dessas da informática) bem estruturada para o efeito. Desta forma, no entanto, permite-se a alguns "palpites". Tentarei deixar aqui uma dúzia deles, eventualmente a recuperar para um forum que se possa lançar (e aqui fica o desafio!):
1) Liberalismo e socialismo assumem-se como duas correntes de filosofia político-económica que se constituíram numa base de resposta aos desafios da civilização e á evolução histórica do desenvolvimento social humano;
2) Na sua origem estão a Revolução Francesa, primeiro e, depois, o socialismo científico de Engels e Marx;
3) Este é apenas o ponto de partida. Depois, a dinâmica dos sistemas fez o resto. E, o resto é, fundamentalmente, a dialéctica dos sistemas,traduzida numa luta titânica pela sobrevivência;
4) É nesta dialéctica que a tentativa de implementação política do socialismo científico desmboca rapidamente nos modelos totalitários comunistas e que o liberalismo acaba por evoluir para soluções políticas de grande intervencionismo estatal;
5) É caso para dizer que, da luta travada, acabaram ambos derrotados.;
6) É neste contexto que vinga a social-democracia ou o também chamado socialismo democrático, uma e a mesma coisa;
7) É nesta dinâmica que, à queda do império soviético, corresponde um novo fôlego do liberalismo, agora designado de neo-liberalismo;
8) A dinâmica natural das sociedades cimenta valores civilizacionais que se diluem nos de esquerda e de direita, que são muitas vezes transversais e que provocam deslocamentos nas fronteiras de direita e de esquerda, acabando por tornar obsoletos os seus principais conceitos;
9) Veja-se como, hoje, nem o papel do Estado serve sequer de fronteira. Ou não será que assistimos à ressurreição de Keynes? Ou não será que vimos os liberais, por todo o mundo, a reclamar a intervenção do Estado nestes últimos tempos?
10) É claro que isto deu, agora, um pequeno estímulo à que foi acima chamada esquerda da moda. Mas a esquerda, da moda ou não mas muito "caviar", perante a insofismável e definitiva (?) vitória da economia de mercado (repare-se que não escrevo liberalismo) e perante o diluimento dos seus valores de referência, agarrou-se a muitas outras coisas surgidas a partir de modelos de contestação social nascidos de novas culturas, de que a "hippie", através da formatação política que conheceu o seu ponto alto no Maio de 68, é a principal referência;
11) É esta História recente que demarca os contornos da actual esquerda, dita de bem pensante, reclamante da superioridade moral e que, à falta de outros argumentos, tem que se agarrar aos chamados temas fracturantes que mais não são, nunca, que aqueles que a moral conservadora rejeite;
12) Finalmente, o Estado e o peso que tem na maioria das sociedades e dos países, entre os quais nos incluimos, é hoje mais consequêcia das superpestruturas políticas e das respectivas "nomenklaturas" do que de outros requisitos. Não serve para levar o pequeno-almoço a ninguém, mas sim para essas "nomenklaturas" tomarem o pequeno-almoço, o almoço, o lanche, o jantar e ainda o que a noite der.
De Paulo Sousa a 7 de Julho de 2009 às 08:35
Obrigado pela sistematização e pela forma clara como trata os conceitos.
De Maria a 7 de Julho de 2009 às 13:34

Boa tarde,

O Liberalismo económico e a livre concorrência de mercados, é de todo favorável ao bom funcionamento de uma economia.

No entanto este liberalismo não deve chegar a áreas fundamentais/essenciais, numa linguagem mais crua, áreas de 1.ª necessidade, nomeadamente educação, saúde, agricultura, electricidade, água, gás, combustíveis , e todos os serviços que deve ser o estado a disponibilizar e forma mais acessível e regular então outro tipo de actividades.

É aqui que surge o problema, pois os Governos estão cada vez mais a deixar de estar directamente ligados a estas áreas e pior não existe regulação, veja-se o caso BPN como outras centenas deles....

Mas é só uma opinião, mais ou menos leiga ...

Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds