Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

Pronto, vamos lá reflectir...

A campanha eleitoral chega hoje ao fim. Amanhã é dia de reflexão!

 

As eleições de domingo deveriam ser das mais importantes da nossa história democrática. O actual estado de depressão geral do país, da economia, das finanças públicas, de calamidade social e em especial do desemprego, de descrédito do sistema político e da Justiça justificá-lo-iam. São, porém, apenas mais umas eleições, com a preocupante particularidade de ninguém as merecer ganhar!

 

Em democracia, as eleições servem para premiar ou punir quem exerceu o poder. Mas servem também para premiar ou punir propostas de alternativa de governação. Francamente não vejo quem mereça sair premiado!

 

Cai hoje o pano sobre uma campanha eleitoral que praticamente, e como de costume, passou ao lado dos reais e graves problemas do país, para se focalizar em falsas questões que podem animar as hostes dos indefectíveis mas não mobilizam os portugueses em geral. Daí a abstenção e o voto nulo e branco, que tanto animaram o debate aqui trazido pelos amigos António e Carlos, pela mão oportuna do Pedro Oliveira.

 

Pelas circunstâncias de arranque desta campanha – com o partido do governo altamente desgastado, com um líder acossado pelas razões conhecidas e o PSD embalado pela vitória nas europeias –, socorrendo-me de uma imagem futebolística, ao PS estava reservado um papel defensivo. Ao PSD caberia atacar, partir para cima do adversário. Mas atacar, como diriam os novos mestres das tácticas, mantendo as linhas curtas, sem deixar grandes espaços de penetração para o adversário. Não o fez e, no final, estamos a ver um PSD sem norte e um PS, imaginem, já a falar de maioria!

 

Porquê? Porque o PSD se fartou de marcar golos na própria baliza. Partiu de um slogan (Verdade), de gosto duvidoso e muito gasto, que rapidamente pôs em causa. Logo na constituição das listas, incluindo pessoas para as quais a menos grave das acusações seria a de lidarem mal com a verdade. As mesmas da estória da compra de votos. Pelo meio o inábil tratamento do TGV, e o arcaico fantasma espanhol. E a famosa asfixia democrática, logo atrapalhada pela penosa questão da Madeira e depois sufocada pela gravíssima questão das escutas, uma bomba que rebenta nas próprias mãos do Presidente da República.

 

A asfixia democrática é uma falsa questão. E mal escolhida, mais a mais para quem tem na Madeira os seus telhados de vidro. O que deveria ser trazido para a campanha era a asfixia do Estado. Essa sim, a verdadeira questão. Um Estado que, porque está em todo o lado, porque em tudo põe e dispõe, é responsável pela promiscuidade a que se chegou. Mas sobre isso nada! Evidentemente que todos pretendem mantê-lo assim, para que esteja pronto usar logo que o poder acabe por lhes cair nas mãos.

 

As escutas do PR terão constituído a machadada final nas ambições do PSD. Mas, pior que isso, constituíram um golpe profundo nas condições de exercício da superior magistratura de poder do PR. E logo numa altura destas, quando os resultados esperados destas eleições exigem um Presidente de todos os portugueses com uma imagem absolutamente imaculada.

 

 

publicado por Eduardo Louro às 12:14
endereço do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Ana Narciso a 25 de Setembro de 2009 às 18:19
Eduardo: não sei como se pode fazer uma campanha com seriedade e verdade quando ligamos a slogans e não a quem é capaz de fazer e de aplicar uma política diferente, neste acaso a política que o programa do PSD defende. O Presidente da República não governa não gere os dinheiros públicos, não executa programas, apenas e só é o garante da Constituição e da separação de poderes do Estado. Não sei como pode este caso das "escutas", afundar o PSD ou sequer beliscar o resultado final desta campanha eleitoral. Entretanto perdemos milhões da Europa, carreiras congeladas, um dívida externa assustadora e Sócrates continua a oferecer pão e circo.
Não digo que todas as escolhas de MFL tenham sido as mais acertadas. Não foram , de todo. Mas prejudicar um país por dois momentos menos felizes acho absolutamente surreal. No ponto a que chegámos ainda bem que a campanha acabou ;já era insuportaével o ruído de fundo de um Presidente que nunca fala, mas despede sem explicações um colaborador de mais de 20 anos. A idade não ataca só os outros , acho que os achaques da teimosia ( de que Cavaco sempre foi acusado) se fossilizaram e se agudizaram com a idade. O tempo não perdoa. A ninguém!
De Eduardo Louro a 26 de Setembro de 2009 às 00:11
Ana: Não posso comentar. Já passa da meia-noite!Mas parece-me que estamos de acordo...
De Ana Narciso a 26 de Setembro de 2009 às 17:05
Eduardo; nunca fui tão elegantemente mandada calar. Há sempre uma primeiravez!

Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds