Terça-feira, 13 de Outubro de 2009

Sondagens

As sondagens voltaram a falhar nestas autárquicas.

As críticas vão aumentando de tom. Nuns casos com algum sentido, noutros nem tanto. A Paulo Portas, já uma eterna vítima, juntou-se ontem Santana Lopes, que decidiu atribuir-lhe influência directa nos resultados.

A posição de Santana Lopes poderia até ter mais eco não fosse, na sua ânsia de desculpabilização e de permanente vitimização, lhe ter juntado uma nova teoria conspirativa: a do acordo secreto entre António Costa e o Partido Comunista. António Costa teria trocado um acordo de coligação explícito com o PC por um outro, bem mais eficaz mas secreto. Só isso explicaria a tal diferença de 13 mil votos da CDU entre as freguesias e a Câmara. É preciso muita imaginação e uma refinada capacidade de teorização para sustentar esta tese. Evidentemente que estamos perante o típico comportamento do voto útil (ainda mais evidente em Beja) e não, por real impraticabilidade, de qualquer acordo secreto.

Este artifício, contudo, não apaga a questão da eventual influência das sondagens nas decisões de voto.

Não acredito, e acho que ninguém poderá acreditar, que as sondagens, referindo-me evidentemente às que são desenvolvidas por reconhecidas empresas da especialidade e veiculadas pelos principais órgãos de comunicação social, tenham por objectivo condicionar e influenciar a votação dos eleitores. Têm por principal objectivo alimentar o próprio negócio dos media, que têm na política um dos seus principais produtos. Também servem e são úteis aos directórios partidários que, mesmo quando dizem que valem o que valem, não as ignoram para ajustar ou inverter algumas tácticas.

Claro que também não acredito em falta de suporte técnico-científico. Mas como justificar alguns erros grosseiros? Será pelo crescente aumento de indecisos? Será porque os cidadãos inquiridos se achem utilizados, diria carne para canhão, e resolvam conscientemente ludibriar esses estudos de opinião?

Não tenho resposta. Mas desconfio que essas empresas terão de a procurar e abandonar a questão semântica a que se têm agarrado: “sondagens não são previsões”. Sob pena de perderem uma fatia significativa do seu mercado pois, se não servem como previsões, são meros estudos académicos para consumo interno. Sem mercado! Não é todos os anos que há três eleições, mas em todos os anos há produto político. É que, assim, arriscam que alguém se lembre de proibir as sondagens em actos eleitorais…

Que acham?

 

publicado por Eduardo Louro às 07:50
endereço do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Paulo Sousa a 13 de Outubro de 2009 às 08:38
Ele são os políticos, os partidos, os árbitros, os advogados, a justiça, a policia, a Casa Pia, etc... A este lote de coisas em que os portugueses vão deixando de acreditar e que aumenta de dia para dia juntam-se agora as sondagens. O que virá a seguir.
De Paulo Sousa a 13 de Outubro de 2009 às 08:46
Já aqui falamos sobre a confiança da sociedade em si própria.

http://vilaforte.blog.com/2008/02/27/confianca/

Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds