Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Futebolês #13 Cavar a Falta

Cavar uma falta não tem nada a ver com qualquer tarefa rural. Para cavar uma falta não é necessária uma enxada. Deve ser mesmo a única coisa que se cava sem enxada ou qualquer outra ferramenta ou alfaia.

E não é por qualquer metamorfose nem por qualquer fenómeno de mimetismo que se cavam faltas sem o recurso à enxada, essa ferramenta que já faz parte do imaginário nacional e que, ainda há poucos anos, era uma das imagens de marca de um Portugal rural, obscuro e sacrificado. Que de sol a sol acompanhava o trabalhador rural em movimentos contínuos e ritmados, muitas das vezes ao som de ordens cadenciadas, deitadas pelo capataz como que a soar a chicoteadas arrancadas à memória dos tempos da escravatura. Sempre com muito suor e às vezes sangue e lágrimas!

É mais uma expressão do futebolês que parece desprovida de sentido, circunstância que, como temos visto, é comum nesta forma de expressão. Mas, tal como noutras expressões aqui trazidas, há algo que segura uma ponta de nexo, algo que faz sentido: cavar também é arrancar. Arrancavam-se as batatas, por exemplo, com uma enxada no mesmíssimo movimento, o mesmo de “ cada cavadela cada minhoca”, com que assinalamos uma sequencia de manifestações mais ou menos disparatadas.

Ora aí está: cavar uma falta é arrancar uma falta! Inventar uma falta! Não aquela falta cirúrgica de que falamos na semana passada, mas uma falta que faça inverter uma situação precisa. Se um defesa está em situação de apuro para afastar a bola das imediações da sua baliza procura pôr-se a jeito para que o adversário que o incomoda lhe toque, fazendo falta ou simplesmente induzindo o árbitro a acreditar que lhe tocou. Se, em posição de ataque, todos os espaços estão tapados pelos adversários e não há qualquer hipótese de progressão ou de levar a jogada a bom porto, o jogador faz o mesmo: põe-se a jeito para que o defesa que lhe tapa os espaços acabe por lhe tocar, ou simulando mesmo que ele lhe tocou.

Cavar uma falta é, assim, uma saída à laia de chico-espertismo, essa coisa tão portuguesa e tão própria do modo de vida português. E, como a falta cirúrgica, cheira a batota… Cavar uma falta é enganar, é ludibriar alguém: o adversário ou o árbitro!

Mais uma vez, e em paralelismo com o tema da semana passada, em vez de se denunciar como uma má prática, contrária ao fair play, promove-se a sua prática e premeia-se o seu autor, invariavelmente apelidado de inteligente na forma como cavou a falta, seja para se safar de uma aflição defensiva seja para transformar um beco sem saída numa bola parada.

Todos sabemos que a falta de fair play é ainda maior fora do campo. Fora do campo, nos bastidores do futebol, entre dirigentes e um sem número de agentes que gravitam à volta do fenómeno do futebol, não se faz outra coisa que não seja cavar faltas. Com menos, muito menos pudor: são faltas cavadas por simulação pura!

À medida que as ambições sobem assim sobem também as simulações.

Vejamos as consequências do processo do túnel de Braga (já só se falava do túnel da Luz, até parecia que não havia o de Braga para esclarecer) vindas a público três meses (!) depois dos incidentes. Um jogador suspenso por três jogos (Moissoró) e outro, o capitão Vandinho, suspenso por três meses. Olhando para as contratações de Inverno efectuadas pelo Braga reparamos que contratou um lateral direito (Miguel Garcia), porque vendeu o passe do jogador daquela posição (João Pereira, para o Sporting), contratou por empréstimo do Porto (estranho, não é?) um ponta de lança (Renteria) porque pensava que se veria privado de Meyong (que afinal acabaria por não ser convocado para jogar a CAN pelos Camarões) e porque afinal fora enganado na contratação de Adriano ao mesmo Porto. E contratou, por “devolução”, Luís Aguiar, um 10 como Mossoiró e, no último dia, um trinco – Oberdam, ao Marítimo – por acaso o lugar do Vandinho.

É evidente e óbvio que fizeram as contratações cirurgicamente para as posições dos dois jogadores castigados. Revelaram competência de gestão, precavendo-se do que, pelo conhecimento dos factos, sabiam ser inevitável (eventualmente até estariam à espera de castigos mais pesados). Mas a Comissão Disciplinar da Liga, ao demorar 3 meses a divulgar os castigos e ao fazê-lo no dia seguinte ao do fecho das transferências, pôs-se a jeito… E pronto lá cavou, também o Braga agora elevado à condição de candidato a campeão, uma falta de que está a tentar tirar proveito através da vitimização e de uma enorme pressão de que espera dividendos!

Nestas coisas, como já se havia notado com a vasta panóplia de incidentes que criaram para o tal jogo com o Benfica, parece que aprenderam depressa. Ou que têm bons professores!

 

publicado por Eduardo Louro às 07:00
endereço do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds