Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

Bullying

Faço minhas as palavras de Mahatma Gandhi quando afirmou, “A Humanidade não pode libertar-se da violência senão por meio da não violência”. Não posso estar mais de acordo com esta filosofia, mas o que é certo é que vemos e assistimos diariamente às aberturas dos noticiários com cenas de grande violência. Pior do que isso, temo pelo facto de ver chegar, cada vez mais, aos menores que seguem os exemplos e estímulos do meio envolvente.


Para muitos, será concerteza o pesadelo de quem já sentiu e viveu as agruras da violência, seja por intimidação física, insultos ou humilhações públicas, perpetrados por colegas de escola ou do trabalho.


O fenómeno não é novo, mas o estrangeirismo ganha cada vez mais destaque e protagonismo no nosso quotidiano português. Para os mais distraídos, falo do Bullying que nos atinge em proporções cada vez mais intensas e frequentes. Este conceito define “comportamentos de natureza agressiva, entre pares, com intenção de provocar dano”, afirma Sónia Seixas, doutorada em Psicologia e autora de uma tese sobre bullying em contexto escolar.


Com ocorrências mais conhecidas no meio escolar, que pode ir desde os primeiros anos até ao ensino universitário, é no entanto nos 2º e 3º ciclos que se ouvem mais casos, sem esquecer os que nunca ou tardiamente vêem a sua divulgação pública. As vítimas, normalmente crianças, apresentam características bem definidas no plano emocional, sofrendo de baixa auto-estima e revelando comportamentos inseguros, que os denunciam perante a intimidação. Na maioria dos casos, não oferecem resistência, até porque se trata de uma luta desigual, e permitem-se abusos constantes e repetidos pela parte do agressor, a quem se atribui a designação de bully. Com grande facilidade, podemos fazer uma pesquisa rápida e dar de caras com testemunhos terríveis que nos marcam, só de ler e ouvir. Imagine-se o que sentirão as vítimas quando confrontadas com esta dura e triste realiadade.


Dizem os entendidos na matéria, que as possíveis razões na origem deste fenómeno estão associadas à pretensa popularidade reconhecida ao agressor, que tem por trás uma realidade pessoal esvaziada de qualquer estrutura familiar sólida e estável, actuando pelos seus atributos físicos, muito superiores perante as vítimas que escolhe para inferiorizá-las.
É certo que nos meus tempos de escola, também havia lutas entre rapazes, e por vezes alguns episódios engraçados de puxões de cabelos entre meninas mais afoitas e atrevidas, mas nada que revelasse carácter de violência contínua com objectivos claros e bem definidos de garantir humilhação e mal estar premeditados.


Que a sociedade caminha no sentido da auto-destruição, não é novidade para qualquer um de nós, até porque o planeta está em vias de extinção, mas o que é certo é que temos vindo a acelerar este processo, que dá provas da sua precocidade, uma vez que começa cada vez mais cedo, entre crianças. Poderemos inverter esta tendência? Como?
Sou pai de duas crianças, sendo que com muita frequência ouço à mais velha, episódios que ocorreram na sua escola que me fazem pensar na sua segurança. Onde estão os pais destas crianças? E os professores nunca testemunham estas vivências? Onde estão quando sucedem? O que fazem quando lhes, se, chega ao conhecimento? Há, na sociedade, estruturas adequadas e preparadas para tratar as vítimas destas agressões? O que podemos fazer para evitar o fenómeno? Que destino podemos dar aos bullys?


Enfim, medos e receios, mais do que muitos, quando se trata da violência, seja em que contexto for, mas obviamente, crianças e idosos em primeiríssimo lugar. São o princípio e fim de uma vida que merece ser vivida sem sobressaltos e com saúde. O sorriso de uma criança feliz é mais de meio caminho andado para o sucesso de uma nação.
 

 

nota: Amanhã vai ocorrer uma sessão temática sobre esta matéria do "Bullying", no Auditório da Escola Superior de Educação de Leiria. Saber mais AQUI.

tags:
publicado por Pedro Oliveira às 23:04
endereço do post | comentar | favorito
15 comentários:
De maria Antonieta a 26 de Novembro de 2008 às 15:43
Que a sociedade caminha no sentido da auto destruiçãp e que o Planeta está em vias de extinção , é uma frase que eu assino por baixo. Concordo plenamente com ela. E não é uma frase pessimista. É uma constatação. O problema está no que fazer para inverter essa questão.
Tomar consciencia que é individualmente que essse trabalho terá de ser feito
Em casa entre os pais e filhos.
Na escola com os professores e mesmo na sociedade.
Ninguém se pode demitir desse papel.
Não há para esse problema solução conjuntural.
As soluções são individuais. e partem do ambiente familiar daquilo que em casa se ensina ás crianças.
Como é possível que na escola se exiija que uma criança não seja violenta, quando essa mesma criança se apercebe que em casa os pais discutem ou fazem entre si comentários que encerram violência em relação a colegas de trabalho ou a vizinhos.
Quando se enfiam as crianças sistematicamente em centros comerciais todos os fins de semana, em vez de fazer programas com elas junto da natureza ou estimulando-as para visitas de carácter cultural.
Os miudos conhecem o Colombo ou o Corte Inglês, mas ninguém os leva ao Museu dos Coches, ou á Coudelaria Portuguesa em Alter do Chão, aliáz um bom local para se conviver com animais e ar livre.Ninguém desperta neles o gosto pelo saber
Conhecem de cor a variedade de hamburguers do Mac Donald ou o nome das pizas quese vendem nos grandes centros comerciais mas esqueceram-se de lhes dizer que Portugal teve um poeta chamado Camões.
E meus senhores, isto não é pensar á antiga.
Há hoje movimentos de pais mais jovens que querem educar os seus filhos desta forma, porque chegaram á conclusão de que não adianta os seus filhos terem os computadores Magalhães. e serem amanhã adultos sem referências.




De Mãe AM a 26 de Novembro de 2008 às 18:45
D. Maria Antonieta
Subscrevo as suas ideias e parece-me que retratam fielmente as crianças de hoje. No entanto, não podemos assacar-lhes a responsabilidade dessa pobre e triste realidade, mas sim aos seus PAIS!?
Como mãe não posso demitir-me das minhas funções. Também não tenho a pretensão de ser mãe modelo, muito menos perfeita, tenho perfeita consciência dos meus defeitos e qualidades, mas esforço-me por dar padrões mínimos de educação e valores, que vão rareando cada vez mais. Quanto às actividades em família, na natureza, posso deixar o desfio. Experimentem e vão ver que todos aprovam. São momentos únicos e muito felizes, com manhãs chuvosas, ventosas e geladas ou numa bela tarde de sol, com céu azul e limpo.
Estarei longe da verdade, ou será que estou a afastar-me da realidade e a viver noutra dimensão?
mãe AM

Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds