Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

O que nós temos, os outros não, e vice-versa #5 – Casamento

O Casamento é um vínculo estabelecido entre duas pessoas, mediante reconhecimento governamental, religioso ou social e que pressupõe uma relação interpessoal de intimidade, cuja representação arquetípica são as relações sexuais.

 

Na maior parte das sociedades, só é reconhecido o casamento entre um homem e uma mulher.

 

Segundo a Wikipedia, em alguns países é também institucionalmente reconhecido o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo. (Em Novembro de 2008, a Holanda, a África do Sul, o Canadá, a Noruega, a Bélgica e a Espanha) acrescento eu praticamente todos os países do mundo.

 

Estou de acordo, que pessoas que vivam maritalmente, do mesmo sexo ou não, mesmo que não sejam casadas, tenham todos os benefícios que um Estado laico, atribui aos casais.

 

Mais do que isso a mim faz-me uma grande confusão, ou melhor, sou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, penso mesmo que o casamento é um acto de pessoas conservadoras, nada moderno e não percebo como é que as forças políticas de vanguarda o defendem.

 

 

Mas que este é mais um tema, que vai resolver a gravíssima crise que vivemos, não tenho a menor dúvida nem eu nem o nosso Primeiro Ministro.

estou: Enganado
publicado por Luis Malho às 00:06
endereço do post | comentar | favorito
34 comentários:
De Pedro Oliveira a 11 de Fevereiro de 2009 às 09:09
"Chamem-lhe fusão, aquisição ou holding mas, nunca casamento", foi assim que se referiram os Bispos, ontem, reunidos sobre este tema.
Como diz um amigo meu caro lá saber, que sejam felizes e que se deixem viver as pessoas felizes e em paz.Também não concordo que se chame casamento e o argumento é mais ou menos o mesmo do Luís, mas acho que têm o direiro a uma União e de terem perante o Estado os mesmo direitos dos demais casais(ponto final).O tempo de antena que se dá a esta questão demonstra também o nosso atraso.Que saia a lei, que seja aprovada e implementada.Agora não me obriguem é todos o dias ver "gajos e gajas" aos beijos na televisão só porque são descriminados.A minha preocupação e das restantes pessoas não passa,só, por esse tipo de discriminação.Apesar de ficar chocado quando vejo que raparigas e rapazes são excluidos das nossas escolas por causa da sua orientação sexual.O livro da Sónia Pessoa que vai ser apresentado em Leiria(irei colocar post em tempo oportuno) e que já foi destaque no Vila Forte deve ser lido e fazer parte do programa ler+, em minha opinião.

Só para terminar e porque era uma questão que ia colocar aos nossos visitantes, acho que a Igreja Católica não se deve imiscuir nos actos eleitorais que se avizinham e muito menos dizer em quem votar, neste caso em quem não votar por causa desta questão, estou à vontade porque JAMAIS votarei PS, mas uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

Aproveito para fazer a pergunta:Acham legitimo que a Igreja apele ao voto neste ou naquele partido?
De Paulo Sousa a 11 de Fevereiro de 2009 às 11:45
Cuidado que o Jamé costuma dar azar....
De Jorge Soares a 11 de Fevereiro de 2009 às 15:26
Pedro

Em politica e nos dias de hoje, o que é algo legitimo?

A igreja católica é uma instituição que vive aferrada a dogmas e ao ao passado, não evolui, não anda nem desanda..... É evidente que a igreja não deveria apelar ao voto, assim como não deveria dizer com quem as mulheres portuguesas devem casar ou não, assim como não deveria dizer às pessoas para não utilizarem contraceptivos, assim como tantas outras coisas... mas se formos ver bem... quem nestes dias liga ao que a igreja diz?

Abraço
Jorge
De Ana Narciso a 11 de Fevereiro de 2009 às 18:21
A Igreja tem legitimidade para dizer aos seus fieis para votarem no partido que melhor defende os princípios éticos em que se fundamenta. Mais! tem todo o direito de não mudar de doutrina só porque nós mudámos de opinião. O que não pode é transpor a sua doutrina para a organização do estado. A separação entre a César o que é de César e a Deus o que é de Deus é das maiores conquistas do Ocidente que não deve ser posta em causa. Relembro um amigo meu que esteve arredado da Igreja durante mais de 30 anos. Ao fim deste tempo regressou e ficou tranquilo, conseguiu perceber tudo . Tudo estava inalterável . Sentiu-se finalmente em paz e em casa. quem não é crente , jamais conseguirá entender este sentimento. Por isso ele é católico e eu sou ainda não sei o que sou. O Estado tem de governar para os dois. Hélas!
De Maria a 11 de Fevereiro de 2009 às 10:54
Bom dia,

Que me desculpem os casais homossexuais ...

Chamem-me atrasado ...

O que quiserem ...

Sou completamente contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, concordo plenamente com a opinião da Igreja nesta matéria ...chame-lhe união de facto ... união por conveniência ... qualquer coisa agora casamento ...

Também concordo que quem queira viver a sua homossexualidade tenha os mesmos direitos que um casal composto por um homem e uma mulher ... com uma excepção a adopção ...

Nos dias de hoje vários são os relatos de descriminação entre crianças pelo simples facto de terem ou não calças de marca ... pergunto tratada uma criança pelos colegas se dissesse: "tenho dois pais homens ou duas mães..."?

Existe uma coisa que julgo que poucos escreveram ... os casais homossexuais só têm direitos? Só querem ganhar direitos? e deveres não têm nenhum..?

As constantes aparições em filmes ou programas de televisão ou na sociedade civil, como que uma forma de afirmação do movimento gay ... sendo que essas formas de aparição não são de todo semelhantes às dos casais heterossexuais ... na forma como se manifestam ...

Por tudo isto e muito mais ... sou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo ... e também me parece que se está a dar demasiada importância a uma questão que é muito pouco importante para a resolução dos problemas reais dos portugueses ...

O nosso primeiro ministro parece que vai fazer bandeira desta questão na sua campanha eleitoral ... eleitoralismo puro ... demagogia politica muito usual em muitos políticos da nossa praça ... vale tudo para ser eleito e manter o tacho ... pensar e resolver os problemas reais do nosso país .......... não está no programa eleitoral ...
De anónimo a 18 de Fevereiro de 2009 às 15:55
Não queira dizer que se Socrates ganhar as eleições é com os votos dos gays.
Se pensa assim, Portugal é um país de gays.
De Ferreira-Pinto a 11 de Fevereiro de 2009 às 11:25
Ora cá está como em poucas palavras se pode dizer muito.
Subscrevo.

EM jeito de rodapé, ao amigo e nosso leitor assíudo Pedro Oliveira as melhoras.
De Paulo Sousa a 11 de Fevereiro de 2009 às 14:10
A politica feita com interesses eleitoralistas obriga a muitos jogos de xadrez jogados em muitos tabuleiros ao mesmo tempo. Esta jogada foi feita no tabuleiro em que o adversário é o Bloco de Esquerda, mas acaba por ser um tiro no pé no tabuleiro de disputa com os eleitores mais conservadores. A Igreja já fala em apelar ao voto contra o PS.
Também podemos ver a questão como a abordou há dias Carlos Abreu Amorim, no Correio da Manhã. Isto não passam de cascas de banana para desviar a atenção do que é importante.
Aqui:
http://www.correiomanha.pt/noticia.aspx?contentid=38711344-D36E-46E8-A715-A4B4FB36E568&channelid=00000093-0000-0000-0000-000000000093
De Jorge Soares a 11 de Fevereiro de 2009 às 15:18
Fiquei na duvida, é contra qualquer tipo de casamento ou só e contra os casamento entre homossexuais?

Se é contra qualquer tipo de casamento, eu percebo... eu também sou, não me parece que seja um papel assinado que faz a diferença nem me torna dono ou subdito de ninguém.

Se só é contra o casamento entre homosexuais, desculpe lá, isso é descriminação, não percebo o que é que a orientação sexual de alguém tem a ver com o seu direito de se juntar e casar com quem lhe apetecer. Tenho uma filosofia de vida em que acho que os meus direitos terminam exactamente onde começam os direitos dos outros, e se eu não perguntei a ninguém se me podia casar ou não, não percebo porque é que alguém só por ter uma orientação sexual diferente da minha o deve fazer.

Numa coisa tem razão, com tantas coisas com que nos preocuparmos, não percebo porque é que havemos de estar a discutir estas coisas, cada um casa-se ou não com quem quiser.. e já está.. .Aliás, alguém me explica porque é que é preciso uma lei para isto? A nossa constituição não garante que não existe descriminação em Portugal?

Jorge Soares
De Sónia Pessoa a 11 de Fevereiro de 2009 às 17:32
UPS... que bom que é o poder expressar-me, dizer o que me vai na alma, ser livre afinal, mantendo-me dentro dos limites do respeito pelo próximo... ups, que menos bom que é saber que vivemos num país de iluminados que cospem aqui e ali sem pensar muito bem porque o fazem, a troco de quê, e violando o espaço que é dos outros por direito... ups, que bom que podemos chamar tacho, panela, caçarola, a um mesmo objecto, e a isto se chama diversidade cultural, património, entre outras designações, mas todos o usamos com o mesmo fim... ups, que bom que a vida pula, avança, evoluímos e não nos deitamos à sombra de conceitos ultrapassados pelo evoluir de uma civilização, a mesma que há uns séculos atrás queimava vivos em fogueiras aqueles que se atrevessem a discordar desta ou daquela opinião... ups, que bom que em tempos de crise se possa falar de outros assuntos para além desta, porque a vida, embora difícil, continua, os campeonatos de futebol continuam, as transferências milionárias continuam, e milheres de crianças do terceiro mundo continua a passar fome também... ups, que bom que é vermos três telenovelas seguidas em horário nobre, em que 70% do tempo é coberto de linguados, troca de fluídos e afins, entre casais heterossexuais, e ninguém se enoja por isso, nem vira a cara para o lado... ups, que bom que aquela mulher solteira não olhou às diferenças daquela criança, à deficiência que carrega, à côr, crença ou credo, e se dispôs a adoptá-la tão só porque queria uma criança para amar... ups, afinal essa mesma mulher vive maritalmente com outra mulher... ups, que sorte a desta criança que tem dois seres humanos a amá-la e a olhar por si e um projecto de vida para o futuro... ups, que quando me zangam a sério, quero dizer tanta coisa, que mais parece uma sopa de letras num qualquer tacho, numa qualquer panela, numa qualquer caçarola, numa qualquer casa portuguesa concerteza.
Sónia Pessoa
De AM a 11 de Fevereiro de 2009 às 17:56
Coloco-me de pé e clap,clap,calp!

Comentário fantástico, que vai fazer engolir em seco muito boa gente.
Muitos parabéns, que a sua apresentação aqui em Leiria, qual a data?, seja um sucesso.Somos uma País de preconceituosos bacocos, até Espanha já tirou as amarras seculares que carregava, por cá gostamos mais de continuar a idolatrar Salazar, agora com modelos e tudo.Santa paciência, País mesquinho e triste.Fado, Futebol e Fátima são os nossos pontos cardeais eternos.
De Sónia Pessoa a 11 de Fevereiro de 2009 às 20:29
Luis, este comentário é como o meu livro... espero sinceramente que dentro de pouco tempo deixe de fazer sentido! A apresentação será dia 22 deste mês, pelas 15h30, na Bertrand. Espero que por lá nos encontremos...
abraço
Sónia
De Sónia Pessoa a 11 de Fevereiro de 2009 às 21:35
Na resposta anterior coloquei o nome Luís, pois apareceu-me no mail como enviado pelo Luís Malhó... ou seria AM... pelo desculpa se o enderecei erradamente.
De Paulo Sousa a 11 de Fevereiro de 2009 às 21:31
Sónia,
Felizmente todos somos livres de manifestar a nossa opinião. Nisso estamos todos no mesmo barco.
Acredite que não me perturba minimamente as uniões de facto entre quem assim o entender. Como é dito no texto, também não entendo o porquê de tanta insistência em chamar casamento a uma união de facto entre pessoas do mesmo sexo. É apenas uma questão semântica? Nesse caso podiam criar-lhe um outro nome que o distinguisse dos casamentos tradicionais. Porque não? Não entendo a obsessão na palavra 'casamento'.
Outro aspecto que é frequente entre os defensores dos casamentos gay (espero que o nome não incomode os seus defensores) é a intolerância para com quem não seja seu partidário. Não pode deixar de ser caricato que quem defende a diferença não aceite que exista quem não sendo contra não os apoia incondicionalmente.
De Sónia Pessoa a 11 de Fevereiro de 2009 às 21:41
Paulo, estou de acordo consigo... casamento é só uma palavra, como tacho, panela... o nome que se lhe dá fica muito aquém do que é realmente importante nesta discussão. Em relação à intolerância, quero acreditar que isso resulta do cansaço de lutar há muito por um direito, para mim, indiscutível. Abraço

Espero vê-lo no dia 22...
De Ana Narciso a 11 de Fevereiro de 2009 às 18:31
Eu não consigo perceber por que razão se insite nesta " bandeira" . perante a Igreja nunca serão consideradas " casal" perante a lei já podem herdar bens e adquir bens em nome dos dois ou das duas. Portanto esta bandeira está furada. O que me parece é outra coisa; querem adoptar crianças. Mas aqui o Estado tem de lutar pelos direitos da criança ou seja têm direito ao pai e á mãe ( de sexos diferentes) claro.Mas mesmo assim se forem ferteis podem gerar crianças através da inseminação artificial , fugindo à oposição da lei. Portanto qual é a bandeira? É casarem de véu e grinalda na Igreja?Isso não é um casamneto gay é show! É circo! Conheço muitos homosexuais que são contra . Assumidamente!




De Jorge Soares a 11 de Fevereiro de 2009 às 19:44
"Querem adoptar crianças. Mas aqui o Estado tem de lutar pelos direitos da criança ou seja têm direito ao pai e á mãe ( de sexos diferentes) claro."

Ana, explique-me lá que eu não percebi, então o estado vai retirar as crianças a todas as mães solteiras? e a todos os pais separados? ou essas não tem direito a uma família com pai e mãe?... tenho o prazer de conhecer várias crianças adoptadas por adoptantes singulares e são crianças felizes e completamente normais, apesar de não terem um pai e uma mãe de sexos diferentes. Também é contra a adopção singular?, ou só contra a adopção por homossexuais?

Acha que as crianças estão melhor nos centros de acolhimento que no carinho e no calor humano das pessoas?

Acha que a orientação sexual dos pais vai influenciar as crianças?.. é esse o problema?.. por acaso já pensou que todos os homossexuais são filhos de heterossexuais? isto diz-lhe algo?

Jorge Soares
De Ana Narciso a 11 de Fevereiro de 2009 às 21:40
O Estado não retira nem dá pais e mães a ninguém, nem a lei é feita para resolver casos particulares deste ou daquele agregado familiar. Além disso pais e mães morrem deixando órfãs muitas crianças. O ponto não é esse. O ponto é que qualquer criança no mundo nasce pela junção de duas partes e não de uma só. O que é normal é existirem duas pessoas de sexos diferentes nas suas vidas: o resto são situações que alteram esta normalidade e esta rotina tão necessária na vida de muitas crianças. e vejo , infelizmente muitas crianças que estão bem tratadas fisicamente mas que têm alterações profundas nos afectos. Não creio que seja necessário alterar o quadro legal para "o " casamento" gay. O que fazem dentro de portas , não diz respeito ao colectivo, não me diz respeito nem a ninguém. Mas deixem as crianças fora dessa intimidade , que no meu entender , têm o direito a pai e a mãe e o dever de respeitar 0s seus ascendentes.
De Jorge Soares a 11 de Fevereiro de 2009 às 21:58
Ana, está enganada. O estado através dos tribunais e da segurança social retira todos os dias crianças aos pais, depois pega nelas e coloca-as em centros de acolhimento, e esquece que elas existem. Existem 11000 crianças ao cuidado do estado, que o estado retirou às famílias e esqueceu.

Mas o estado também dá, a mim por exemplo, de novo através da segurança social, deu-me um filho, uma das poucas crianças que o estado não esqueceu, deu um irmão à minha filha, e espero eu, que dentro de algum tempo me dê outro... que para iso sou candidato à adopção

Mas não respondeu às minhas perguntas, ok, vou-lhe colocar outra, peço-lhe que vá ler este post : http://nosadoptamos.blogs.sapo.pt/12234.html,

e que depois me diga, que não está de acordo que esta criança tenha sido entregue a esta mãe.... porque esta criança não vai ter um pai, só uma mãe.

Quanto ao resto, eu também não acho que seja necessário alterar o quadro actual, as pessoas devem casar-se com quem entenderem, e se neste momento o estado não permite isso, é porque não cumpre os preceitos da nossa lei, que impede a descriminação.

Jorge
De Ana Narciso a 11 de Fevereiro de 2009 às 22:23
Tentando responder às suas questões bem interessantes. Tenho a certeza que tudo o que rodeia a criança a influencia . Tudo. O casal, a família a casa , os genes o clima tudo a influencia para o bem para o mal e para o menos bem e o menos mal. As 11 mil crianças de que fala são aquelas que não viram os seus direitos respeitados . Muitas vezes é preferível sair de uma família violenta e desestruturada e viver num centro de acolhimento. Ali há sempre a hipótese de haver alguém como o Jorge que as acolhe e as estime. O problema aí é também é de prudência dos serviços que permitem a adopção. Não tem retorno . É definitivo. Sem exageros ( que os há ) é preciso acautelar o futuro destas crianças.
De Maria Antonieta a 11 de Fevereiro de 2009 às 19:48
Que sel legisle tudo bem. Casamento , União enfim qualquer coisa.
O casamento é sobre o ponto de vista da sociedade um contrato e nada mais.
Depois cada religião aceita-o como entende mas a legislação não deve ser misturada com opções religiosoas, votações partidárias, etç
Portanto e concluindo um casamento é um contrato entre duas pessoas e como qualquer contrato deve ter legislação.
Esta é a visão pragmática das coisas.
Agora que se faça disso um campo de batalha, uma bandeira que o Primeiro Ministro nos oferece a toda a hora nos meios de comunicação social com cheiro a campanha eleitoral.
Hà problemas muito graves para encontrarmos soluções e isso é verdadeiramente importante.
Por outro lado parece-me disparatado os bispos dizerem o que disseram.
às vezes a Igreja Católica toma posições que enfim... é como o facto das pessoas não casadas católicamente não poderem comungar. Francamente temos de levar a certidão de casamento para a igreja
Haja pachorra
De Ana Narciso a 11 de Fevereiro de 2009 às 21:51
è curioso que entendo a religião como algo diferente. A religião , qualquer que ela seja, pressupõe um credo , uma doutrina e uma prática. e esta tríade não pode ser adoptada a cada "utilizador" da mesma. Quem opta , escolhe ou segue determinada religião deve aceitar os seus princípios não tem que os mudar à sua imagem e semelhança. Isso não é religião, é política. E não é descabido de todo , relembrar o padre Feytor Pinto dizer com imensa convicção" se não fosse padre , seria definitivamente político". Et , voilàs!Ambas tentam transformar o mundo com argumentos e razões ( espera-se !)totalmente diferentes!
uam discussão bem interessante. Obrigada aos dois , João e Antonieta.
De Luis Malho a 11 de Fevereiro de 2009 às 22:43
Em primeiro lugar, gostava de agradecer todos os comentários.
Só prova que este é um tema que de facto desvia as atenções da crise. Primeiro objectivo cumprido!
Depois pretende retirar uns votos ao Bloco. Objectivo provavelmente cumprido em Outubro.

Quanto aos comentários.
- Relembrar, que este pais bacoco, está acompanhado, neste caso, por mais uns 190 países, já que actualmente apenas 6 autorizam o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
- A Igreja pretende aconselhar os católicos a não votar nos partidos que o defendem? É legitimo? Claro que é. Não percebo, é porque incomoda tanto, sendo uma instituição “aferrada a dogmas e ao passado, não evolui, não anda nem desanda”.
- É descriminação? Como dizia alguém claro que sim! Mas caramba quem é que não é descriminado? Todos os dias em dezenas de situações?
- Último Comentário. Não me faz sentido incluir nas causas fracturantes e progressistas o Casamento!
De Jorge Soares a 12 de Fevereiro de 2009 às 00:08
Vamos lá ver, como dizia a Sónia, houve uma altura em que a igreja aconselhava a queimar pessoas na fogueira... ainda bem que se deixaram de tal coisa...caso contrario eu estava em perigo, também era legitimo?

Houve uma altura em que todos os países do mundo aprovavam a pena de morte, e isso não nos impediu de sermos os primeiros a revogar tal atrocidade, agora já não vamos ser os primeiros... mas ser sétimos também não é tão mau...afinal sempre fomos um pais de percursores.

Quanto à descriminação..... nem sei o que lhe diga, aceitar a descriminação como algo normal? como algo que acontece e pronto?.... isso é o que dizem os judeus quando descriminam os palestinianos, o que dizem os racistas quando descriminam outros seres humanos, o que dizem as homem quando descriminam as mulheres, podia dar muitos mais exemplos, mas acho que já chega, com qual destas descriminações é que está de acordo?... só para saber.

Jorge Soares


Comentar post

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.connosco à mesa

Os nossos convidados

Dr. Miguel Horta e Costa

Eng. Cláudio de Jesus

Dr. Saúl António Gomes

Dra. Isabel Damasceno 

Prof. Júlio Pedrosa 

Cor. Valente dos Santos

 

Os nossos leitores

Ana Rita Sousa

Carlos Sintra

 

O nosso email

 

Siga-nos 

 

.podcast


Curvas do Livramento

oiça os nossos debates

Ed. Zero

Edição 1 - 04/Jun/009

Ed. 1.1 Europeias

Ed. 1.2 Autárquicas

Ed. 1.3 Casamentos Gay

Edição 2 - 30/Jun/009

com Clarisse Louro

Ed. 2.1 Pós Europeias

Ed. 2.2 Legislativas

Ed. 2.3 Autárquicas

Ed. 2.4 PMós 2º Clarisse Louro

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.Últimos Comentários

Special thanks to MrCosmos
The Feedburner expert

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.Quiosque

diários

semanários
  regionais
 
   

.Filme recomendado

 

 

Trailer

 

 

 

.Leitura em curso


A Revolução dos Cravos de Sangue

de Gerard de Villiers

Estamos em Portugal, no rescaldo do 25 de Abril, e Lisboa é um tabuleiro de xadrez onde CIA e KGB jogam uma partida mortal. Os serviços secretos americanos, desesperados por apenas terem sabido do golpe de Estado através dos jornais, esforçam-se para impedir que Portugal caia nas mãos do comunismo. Do outro lado, a KGB tem em mente um plano diabólico e põe em campo os seus melhores agentes. É então que um golpe de teatro promete desequilibrar esta guerra fria. Natália Grifanov, mulher de um poderoso coronel da KGB, está disposta a passar para o Ocidente e a relatar todos os segredos que sabe. Para organizar essa deserção a CIA escolhe o seu melhor agente: Malko Linge. Mas nem ele conseguirá levar a cabo esta missão sem evitar danos colaterais. E é então que, nas ruelas de Alfama e nos palácios da Lapa, entre traições e assassinatos, a Revolução dos Cravos mostra a sua outra face.

E, acredite, não é bonita!

Um thriller soberbo e original, passado no pós 25 de Abril de 1974.


Saida de Emergência

.Contador de visitas

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds