Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

Movimento Independente

Tomei conhecimento, primeiro pelo Twitter depois aqui, que foi ontem apresentado o MILEI (Movimento Independente por LEIria), que apresentará como candidata a Presidente da Câmara Municipal de Leiria, a actual vereadora Isabel Gonçalves, até agora eleita pelo CDS-PP.

 
Segundo o Região de Leiria, o movimento surge na sequência do “divórcio” entre a actual vereadora e a concelhia do CDS-PP de Leiria.
 
A possibilidade de candidaturas independentes aos municípios é relativamente recente, e é pena que até agora, a maioria das candidaturas, resultem de políticos que entram em litigio com os seus próprios partidos. A nossa democracia tem que evoluir ainda, para verdadeiras candidaturas independentes, com origem na sociedade civil.
 
Por outro lado, os partidos são muitas vezes castradores dos seus próprios militantes, sendo muito frequente, não darem qualquer espaço para o pensamento divergente, relativamente a quem controla o poder.
 
Assim, os movimentos independentes são sempre uma boa alternativa a quem se quer apresentar ao eleitorado, mas não tem “partido”, para tal.
 

Boa Sorte ao MILEI.

estou: Expectante
Sábado, 3 de Janeiro de 2009

2009 - Também Ano de Eleições na Vila forte

Durante os últimos meses não participei activamente no Vila forte.
Esta ausência, devidamente “autorizada” pelos restantes Editores prendeu-se com a actividade profissional que exerço e que não me tem permitido marcar presença com a regularidade inicialmente definida por todos nós.
Apesar disso, a falta nunca foi notada e o Vila forte tem vindo a notabilizar-se continuando a marcar a agenda Política do nosso Concelho.
E ainda bem que tem sido assim. Mas como o prometido é devido cá estou de novo, sentado à mesa no recanto deste espaço, agradável para uns e desprezível para outros.
Quero por isso começar por desejar para todos um excelente ano de 2009 e a convicção pessoal que este é o ano em que muitas coisas podem mudar, cá pelo nosso Concelho.
Aliás no ano de 2009 vamos ter pela primeira vez a presença do Vila forte nas Eleições Autárquicas. Este é sem dúvida o primeiro sinal de mudança em relação às últimas Eleições, onde prevaleceram os blogues anónimos e dominaram os ataques pessoais.
Em 2009 o Vila forte vai ter pelo menos um Editor que vai fazer oposição ao actual Executivo, sem medo, de cara destapada e com assinatura.
Acerca do actual Executivo, não tenho nada a dizer das pessoas, mas muito para dizer do que se tem feito mal ou simplesmente do que foi “esquecido” de fazer, apesar das muitas promessas.
Os Portomosenses há muito tempo que adquiriram a sua maturidade Democrática, estatuto indissociável da sã convivência entre os cidadãos de carácter. Por isso não será difícil à grande maioria perceber que é possível discordar mas não calar e dizer; criticar e apresentar ideias diferentes; perguntar e ter direito à resposta; tudo isto sem qualquer ambição ou objectivo pessoal de qualquer âmbito.
A minha participação cívica nos próximos actos eleitorais passará apenas pela disponibilidade de estar activamente ligado a este espaço.
Porto de Mós precisa que os próximos tempos sejam tempos de futuro, com pessoas que mostrem aos cidadãos deste concelho que o presente só pode projectar o futuro se a ambição for para além do que sabemos e conhecemos do passado.
Porto de Mós merece que à frente dos seus destinos estejam pessoas com futuro, com ideias novas e que projectem positivamente o Concelho.
Porto de Mós merece que á frente dos seus destinos estejam pessoas que nos dêem alegria de cá viver, de estar e conviver.
Porto de Mós merece muito mais do que tem. Apesar da maioria ter aquilo que escolheu e muitas das pessoas terem o que merecem.
Eu sou do passado, mas estou cá, disponível para projectar Mulheres e  Homens do presente e com futuro, que como eu ambicionam um Porto de Mós diferente e para todos!
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

As autárquicas começam a mexer no PSD

Hoje ocorrerá, no Juncal, um Jantar do PSD de Porto de Mós, em que se discutirá seguramente as autárquicas de 2009, estando prevista a presença,segundo sabe o Vila Forte, de figuras do PSD distrital, ESTE tema será seguramente motivo de conversa esta noite.

Da notícia destacaria estas declarações de Isabel Damasceno,actual Presidente de Câmara de Leiria:

 

"Damasceno pediu a Ferreira Leite que nas eleições autárquicas se escolhesse “os melhores” e não “os que se colocam em bicos de pés (…) os que falam mais alto”, revelando ter medo de “um abaixamento do nível de exigência na escolha dos candidatos”.

Sábado, 1 de Novembro de 2008

Digno do Halloween

Há pouco mais de dois anos começou a ser cumprida uma das promessas que levou o Sr. Salgueiro, nosso Presidente de Câmara, a Fátima a pé após a sua vitória eleitoral. Refiro-me à Casa Velório do Juncal na freguesia onde resido.

Como a opção de comprar um terreno era muito dispendiosa e de forma a minimizar o investimento, coisa que no Juncal tem de ser gerida com muita parcimónia (tanta que ronda frequentemente a mesquinhez) o terreno escolhido foi o do cemitério antigo que fica por de trás da igreja e que se encontra desactivado há 80/90 anos.

O Presidente da Câmara logo que pôde avançou para o terreno e toca de remover as ossadas com uma escavadora.

O Presidente da Junta e o Pároco, ávidos de uma obra importante para a Freguesia e Paróquia, respectivamente, consideraram que o trabalho estava a ser feito com respeito, como se ‘respeito’ fosse uma função accionada por um botão nos comandos da referida escavadora.

Nem toda a população concordou com os métodos utilizados para o levantamento de ossadas e daí até que uma denúncia chegasse ao Instituto Português da Arqueologia (IPA) passou pouco tempo. Como era de esperar a obra foi de imediato visitada pelo antropólogos do IPA (ou antropófagos, como sempre lhe chamou uma pessoa que acompanhou todos os acontecimentos) e a obra teve de ser interrompida.

As ossadas espalhadas pelo terreno, assim como outras que se encontravam junto às raízes das árvores já cortadas, foram recolhidas por arqueólogos que lamentaram o que ali se tinha passado. Pelo que tive a oportunidade de conversar com as duas técnicas que executarem estes trabalhos, soube que o levantamento de um cemitério não é feito todos os dias, mas é a forma mais eficaz de conhecer as pessoas de uma determinada comunidade no passado. A partir da ossadas é possível estimar a estatura da população, com que idade morreram, as doenças mais frequentes, entre outro tipo de informação. Por exemplo fiquei a conhecer objectivamente os efeitos da osteoporose assim como vi deformações provocadas pelo esforço e por doenças. Tudo a partir de restos mortais de meus conterrâneos, onde se incluem familiares meus que já partiram. Toda esta informação se perdeu por acção da escavadora.

Nesta fase entendeu-se que era muito caro e dispendioso proceder a todo o levantamento das ossadas e acordou-se levantar as ossadas apenas nas zonas das sapatas. Confrontado numa Assembleia Municipal com o facto de desta forma estar a separar famílias que quiseram ser sepultadas juntas, o Presidente da Câmara justificou-se dizendo que os técnicos eram muitos lentos no seu serviço, e, interpretei eu, como o calendário eleitoral é quem mais ordena, the show must go on.

Nesta fase a ‘bola ficou do lado’ do Gabinete Técnico da Câmara que teve de definir a localização das sapatas. Este trabalho será de tal complexidade que demorou dezanove semanas até que os técnicos soubessem onde poderiam escavar.

Durante estas dezanove semanas, ocorreu o episódio mais macabro de toda a novela. Na manhã do dia 15 de Outubro de 2006 foram encontradas no adro a Igreja, assim como no lugar do Andam em vários locais, “cerca de dois quilos de ossos” conforme consta no auto da GNR chamada ao local para proceder a sua recolha. Durante as dezanove semanas em que os técnicos camarários trabalharam afincadamente da escolha da zona de implantação das sapatas, a entrada no antigo cemitério ficou vedada com dois portões velhos amarrados por dois arames.

Este é o rigor técnico que temos na Câmara Municipal, cujo Presidente é um homem que diz entender de obras e faz questão de escrever nO Portomosense que chega às 7h da manhã aos Paços do Concelho para dirigir o pessoal.

A obra está pronta e quis o destino que fosse inaugurada no dia de Finados, logo depois da noite das Bruxas, ou segundo a tradição anglo-saxónica, de Helloween.

O povo, que depois da missa de Todos os Santos ruma ao actual Cemitério, esbarrará com um lanche de papas e bolos, um metro acima do chão onde rolaram caveiras profanadas de juncalenses. É de esperar o discurso de lançamento da campanha eleitoral.

Salgueiro Sim, pela nossa terra.

Digno do Halloween.

 

Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Palavras para quê ?

No Boletim Municipal estava assim .

 

                                                                   hoje está assim !

 

estou:
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008

Os chimpazés e a inteligência social

Como a Ana já aqui disse fala-se em nomes e nomes e mais nomes (ainda a procissão vai no adro) e sobe projectos e propostas nada.

Há dias depois de ouvir este Pessoal e Transmissível na TSF pensei um bocado na forma como o Chico ascendeu à liderança da jaula dos cimpazés.

A inteligência social referida pela Dra Catarina Casanova foi tão necessária ao sucesso do Chico como o é ao sucesso numas Eleições Autarquicas dentro de uma comunidade onde é vulgar dizer-se que 'não se vota nos partidos mas sim nas pessoas'. Vota-se nas pessoas socialmente mais inteligentes (no nosso caso as pessoas socialmente mais espertas) e o resto nada interessa.

Quando é banal dizer-se que ‘se vota é nas pessoas’ facilita-se muito a vida aos candidatos bem vistos, bem falantes e com capacidade de sedução social, pois quem pertence a essa esfera não precisa de preparar qualquer proposta de fundo.

Será que no ano 34 d.24/4/74 ainda basta fazer umas inaugurações, sacrificar uns porcos na brasa e debitar umas frases feitas para ser o chefe da jaula? Ou será que num Estado Membro da União Europeia no sec.XXI o eleitorado já exige coisas como um plano estratégico para o concelho, uma visão sobre o nos distinguirá dos concelhos vizinhos no futuro e a definição clara do caminho necessário para atingir estes objectivos?

Os leitores do Vila Forte têm a palavra.

 

publicado por Paulo Sousa às 08:43

editado por Pedro Oliveira em 02/10/2008 às 17:39
endereço do post | comentar | É aqui que se vêem os comentários (17) | favorito

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds