Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010

Salários em 2010

Em tempo de crise o que fazer com os salários dos trabalhadores por conta de outrem?

 
O inicio do ano, tradicionalmente, serve para fazer a revisão de preços e também dos salários dos trabalhadores, no estado, nas empresas públicas, nas grandes empresas, nas PME e nas Micro Empresas.
 
Normalmente a referência é dada pelo Estado, o aumento da função pública serve de base para o aumento nas empresas. Este ano a Função Pública vai ter os salários congelados e a orientação para as empresas publicas é a mesma. Nas grandes empresas, segundo a comunicação social, os salários vão variar entre o congelamento na Galp, um aumento de 0,5% na banca, e um aumento de 1% na EDP e na grande distribuição.
 
Os sindicatos, com alguma força na Função Pública, já estão em época alta, com as primeiras manifestações a arrancarem com os Enfermeiros e a garantirem que 2010, vai ser um ano de grande actividade.
 
Pedro Passos Coelho, para alguns a grande promessa para o futuro do País, já prometeu ir reduzir os salários dos Políticos, o que deve ser considerado, como uma grande reforma do País!
 
Uma jornalista da SIC obrigou o Ministro das Finanças a disponibilizar-se para reduzir o seu salário!
 
Mas o que fazer na economia real das PME’s?
Este ano já participei em diversas análises sobre o que fazer em relação aos salários em 2010 e desde casos em que os salários simplesmente também serão congelados, a outro em que o facto da empresa, estar a atravessar dificuldades, serviu para aumentar os salários, como forma de incentivar o aumento da produtividade da empresa. Também um outro em que o aumento proposto é de 5%.
 
O Salário mínimo aumentou 5.6%, para 475 Euros, as taxas de juro dos empréstimos à habitação baixaram nos últimos dois anos, para os empréstimos antigos, o combustível também baixou, o IRS vai baixar e a taxa de inflação em 2009, foi negativa de 0,8%.
 

A decisão não é fácil, mas deve basear-se essencialmente, na definição de objectivos que permitam aumentar a produtividade das empresas e com base nisso introduzir uma parte variável que a ser atingida beneficiará todos, os seus accionistas e também os seus trabalhadores.

estou:
tags:
Sexta-feira, 1 de Janeiro de 2010

Votos para 2010

"Em 2010 gostaria de ver uma blogosfera mais irreverente e menos previsível, com ideias próprias e sem temor dos diversos poderes. Gostaria de ver uma blogosfera menos dependente de agendas políticas e com a autenticidade que a marcou nos primeiros anos. Gostaria de ver uma blogosfera que reflectisse menos as opiniões impressas nos jornais e se revelasse mais capaz de influenciar o que neles se publica. Gostaria de ver uma blogosfera onde o espírito de trincheira não prevalecesse, onde jamais se confundisse quem pensa de maneira diferente com um adversário e muito menos com um inimigo. Gostaria de ver uma blogosfera onde o insulto não fosse moeda corrente e onde o prazer de discutir ideias voltasse a estar na primeira linha.

Acredito que é possível. Se não acreditasse, não estava aqui."

 

Pedro Correia, Delito de Opinião

tags: ,
Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009

A DÉCADA

 

 

 

Estamos a poucas horas de entrarmos no último ano da primeira década do século XXI. Mas como, apesar de ser conhecido que não houve ano 0 (zero) mas ano 1, o mundo adoptou mudar de década no início de cada dezena, para todos os efeitos parece mesmo que nos estamos a despedir da primeira e a entrar na segunda década deste século. Se afinal foi assim com o milénio, por que não haveria de continuar a ser assim com uma simples década?

Portanto festejemos a entrada da nova década com um ano de antecipação! E despeçamo-nos da já velha!

Uma década que nasceu com o novo milénio, cheio de dúvidas, receios e temores. Infundados, como se verificou! Nem sequer o bug do milénio (informático) deu dores de cabeça que se vissem…

A 2000 chegarás de 2000 não passarás, lembram-se? Era uma das profecias populares que assinalavam um dos muitos infundados terrores anunciados para o novo milénio. Já o mesmo se passara com o ano 1000, mas aí os tempos eram mesmo outros…

Os terrores da década foram outros, uns mais previsíveis e outros de todo surpreendentes. Desde logo o terror do 11 de Setembro de 2001, claramente o acontecimento mundial da década. Que mudou conceitos, regras, estados de espírito e sentimentos. Mas que mudou a geografia da paz e da guerra. E mudou a própria guerra, agora com um inimigo invisível que pode ser o próprio vizinho. Um poderoso inimigo transnacional que actua em rede e à escala global.

Mas também o terror de catástrofes naturais. Do Katrina que submergiu a capital do Jazz, ao tsunami que engoliu centenas de milhar de vítimas na Tailândia, Indonésia e Sri Lança…

Os receios que a década infundiu também pouco têm a ver com os das crenças populares. Dentre eles destaco o dos receios climáticos, do ecocídio, Dos glaciares polares a derreterem, dos rios a secarem, das ilhas a desaparecerem e dos desertos a avançarem. Receios que não foram suficientes para que algo de fundamental mudasse, como se acabou de ver em Copenhaga!

Por cá vivemos uma década de depressão e de euforias, bem à maneira portuguesa, com o muito nosso oito e oitenta.

Para muitos uma década perdida. Uma década de estagnação económica em que nos fomos sucessivamente afastando dos nossos parceiros do espaço comum europeu. Em que vimos instalar-se um anunciado desemprego endémico, que vai muito para além da crise internacional. Um desemprego que já ultrapassa a taxa dos 10% e que tudo indica não parar abaixo da de 13%.

Mas também uma década de euforia, uma euforia que havíamos experimentado no final do século, embalados pela Expo 98, e que reeditamos com o Euro 2004. Uma festa que abraçou todo o país e que só a Grécia, a mesma Grécia que agora num outro plano nos assusta, estragaria. Depois veio a factura, como sempre!

E ainda uma década que deu ao mundo um novo país, numa peça em que fomos actores principais: Timor. Que infelizmente, ainda a mesma década, começava a revelar como dificilmente viável. Tal como o Kosovo, o último e acidentado nascimento da década!

Foi a década da confirmação da Internet, com a generalização do uso da imagem e a chegada das redes socais, que revolucionaram a comunicação e com consequências políticas ainda por avaliar, como se pode ver pelo que nos chega do Irão.

Mas também a década que nos mostrou que novos ventos sopram no mundo, o tal agora globalizado. Novas potências se anunciam ameaçando a liderança mundial dos EUA, já claramente posta em causa pela China, cujo simples despertar, às primeiras espreguiçadelas, provocou autênticos terramotos na economia mundial, fazendo disparar os preços das mais diversas comodities, dos cereais ao ferro, das oleaginosas ao petróleo…

A nova década confirmará a China a caminho de se tornar na primeira potência mundial. Mas confirmará também e finalmente o Brasil como grande potência emergente.

A nós restar-nos-á o contentamento da nossa língua, a pátria de Pessoa, afinal a nossa pátria! 

Até para o ano! Um bom 2010 para todos!

 

 

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds