Quarta-feira, 24 de Março de 2010

DESEMPREGO: UM PAÍS SATISFEITO!

No passado dia 17 de Março foi divulgado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) que no final de Janeiro havia mais de 19 mil ofertas de Emprego disponiveis que não encontraram interessados.

 

No dia seguinte, Valter Lemos, Secretário de Estado do Trabalho, afirmou estar satisfeito com os recentes números do desemprego, sublinhando que se encontra "praticamente estagnado", o que é na sua perspectiva um sinal positivo.

Os números:

  • No final de Fevereiro estavam inscritos no IEFP 561.315 desempregados
  • No final de Janeiro estavam inscritos no IEFP 560.312 desempregados

Apesar do crescimento ser residual entre os dois primeiros meses do ano (0,2% + 1003 desempregados inscritos), o facto é que o desemprego cresceu. No entanto por ser percentualmente inferior ao crescimento dos meses anteriores já serviu de satisfação ao Governo. E se tivesse diminuido em dez, cem ou mil o número de desempregados? Certamente haveria festa!

Só um Governo com a cabeça enterrada debaixo da areia é que não quer reconhecer que temos em Portugal niveis de desemprego nunca antes vistos, insustentáveis e com tendência para aumentar.

A este facto junta-se uma Politica de Emprego completamente desfasada da realidade, onde o subsidio em muitos casos se sobrepôe à vontade de trabalhar;

Onde em muitos casos a vontade e os direitos do desempregado se sobrepôe à necessidade do Empregador;

Onde em muitos casos impera a impunidade e mês após mês o que continua a prevalecer e a dar jeito é o subsidio na conta e o desejo de não "aparecer nada".

 

Nas contas finais dos 561 mil desempregados inscritos no IEFP, resta-me "aplaudir" esta verdadeira politica de desemprego.

É que destes 561 mil desempregados não foi possivel encontrar interessados para ocupar as mais de 19 mil ofertas de emprego disponiveis também no IEFP e desta forma, certamente em muitos casos, deixar de pagar o subsidio de desemprego.

 

19 mil ofertas de emprego que não têm candidato!

561 mil desempregados que dizem não ter emprego!

 

Como é que isto é possivel?

 

E cá vamos nós, sorrindo e cantando, porque de facto não se passa nada!

Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

Desemprego

 

Há menos de um mês publiquei aqui um texto (Previsões! Optimistas?) que, comentando as previsões da Comissão Europeia então tornadas públicas, dava conta, entre outras coisas, que não acreditava nas projecções apresentadas para o desemprego, que não atingiria os dois dígitos. Como esse texto está aqui disponível não me vou alongar com mais considerandos. Apenas vou referir, para os que então não o leram ou agora se não sintam encorajados a ler, que não acreditava que não tivesse sido já ultrapassada a taxa de 10% e que não se andava a olhar com clareza para o desemprego, ao ponto de se pretender rever o conceito de pleno emprego.

Pois bem, acabam de sair os números de Outubro do Eurostat e … taxa de desemprego em Portugal: 10,2%. Eu tinha razão, já estava ultrapassada a barreira dos dois dígitos quando todos festejavam a previsão de lá não chegar.

O desemprego é, para além de um número ou de uma taxa, um drama pessoal, social e económico. Por de trás de cada número está outro número, o número de pessoas reais, que todos conhecemos, que estão impedidas de dar o seu contributo à sociedade e de se realizar na dignidade do trabalho.

São números que sabemos que continuarão a subir, mas que não sabemos quando começarão a regredir. Porque estão sustentados numa realidade estrutural que foi crescendo quase silenciosamente: a desindustrialização, que a partir do início dos anos 1980 atravessou a maioria dos países desenvolvidos e a que Portugal não escapou.

A desindustrialização em Portugal, em consequência da sua estrutura industrial, atingiu as indústrias de baixa e média tecnologia, de maior intensidade de mão-de-obra e, consequentemente, de maior influência no desemprego. O sector têxtil e o do calçado, integrados nessa classificação de indústrias de baixa e média tecnologia, perderam, entre 1988 e 2006, 150 mil empregos. Mas, em 2006, essas indústrias de baixa e média tecnologia representavam ainda mais de 80% do emprego no sector industrial, isto é, vasto campo para alimentar mais desemprego.

Em Portugal, desindustrialização e desemprego encontram ainda um ponto de confluência explosiva no processo de integração europeia. Não pela integração em si mesma, inevitável, desejável e positiva; mas pelo que se foi sucessivamente falhando na compensação, particularmente ao nível da produtividade, dos seus efeitos negativos mas potencialmente reestruturantes. É que, acima de tudo, deixamos de poder lançar mão da política monetária para esconder as nossas insuficiências.

Só no período de preparação da adesão ao Sistema Monetário Europeu (SME), entre 1988 e 1992, por força do abandono da política de sistemática desvalorização competitiva do escudo, a nossa moeda registou uma apreciação real superior a 20%. Depois de 1999, com a adesão ao euro, os efeitos da apreciação do euro não serão provavelmente muito menores.

Em economias abertas à concorrência internacional, como a portuguesa, as empresas com ganhos de produtividade compensam aí a perda de competitividade cambial, seja directamente seja ainda com recurso à redução de margens de algum conforto. As outras, perdem mercado e acabam por sucumbir!

Ora, sabendo que a produtividade anda de braço dado com a tecnologia, e esta com a qualificação profissional, e continuando o nosso sector industrial agarrado à baixa e média tecnologia, temos o quadro claro da evolução do desemprego em Portugal.

Poderá perguntar-se: então e os outros sectores da economia? O comércio e os serviços, já que pela agricultura ninguém sequer perguntará?

Não chegarão! A saída das crises passa pela exportação de bens transaccionáveis. E a inversão do desemprego por taxas de crescimento acima dos 3%!  

Há um desemprego estrutural em Portugal que veio para ficar. Porque passaram décadas de oportunidades perdidas. E porque continuamos a preferir enganarmo-nos uns aos outros. Uns a enganarem deliberadamente e, outros, deliberadamente a deixarem-se enganar!

Não admira pois que se pretenda rever o conceito de pleno emprego. Se é estrutural faz parte do sistema, não existe! Chame-se-lhe outra coisa: exclusão? Quem sabe se um nome mais pomposo: mendicidade 3 G!

PS: Não sei se repararam mas o texto aqui referido era encabeçado pelo símbolo do FMI. Até nisso foi premonitório: Eles aí estão! Esta noite foi difundido um relatório com as suas receitas habituais, entre elas a redução dos salários da função pública e a subida do IVA mas, mais importante e invulgar, com sérios avisos de caracter político a incidirem sobre a governação e reformas.

.vasculhar neste blog

 

.quem esteve à mesa

Ana Narciso

Eduardo Louro

Jorge Vala

Luis Malhó

Paulo Sousa

Pedro Oliveira

Telma Sousa

.Palestras Vila Forte

Prof. Júlio Pedrosa - Audio 

 

Prof. Júlio Pedrosa - Video 

 

Prof. António Câmara - Palestra

Prof. António Câmara - Debate

Prof. António Câmara - Video

 

Agradecemos à Zona TV

 

.Vila Forte na Imprensa

Região de Leiria 20100604

Público 20090721

O Portomosense20081030

O Portomosense20081016

Região de Leiria20081017

Região de Leiria20081017

Região de Leiria2008052

Jornal de Leiria 20080529

O Portomosense 20071018

Região de Leiria 20071019 II

Região de Leiria 20071019 I

Expresso 20071027

O Portomosense 20071101

Jornal de Leiria 20071101

Região de Leiria 20071102

.arquivos

.arquivos blog.com

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

.Vizinhos Fortes

.tags

. 25 abril(10)

. 80's(8)

. académica(8)

. adopção(5)

. adportomosense(11)

. aec's(21)

. alemanha(7)

. ambiente(9)

. amigos(5)

. amizade(7)

. angola(5)

. aniversário(9)

. antónio câmara(6)

. aquecimento global(7)

. armando vara(9)

. ass municipal(12)

. autarquicas 2009(46)

. avaliação de professores(9)

. be(7)

. benfica(13)

. blogosfera(16)

. blogs(38)

. blogues(19)

. bpn(6)

. casa velório porto de mós(10)

. casamentos gay(17)

. cavaco silva(8)

. censura(7)

. ciba(6)

. cincup(6)

. convidados(11)

. corrupção(7)

. crise(35)

. crise económica(8)

. cultura(7)

. curvas do livramento(10)

. democracia(7)

. desemprego(14)

. disto já não há(23)

. economia(25)

. educação(63)

. eleições(7)

. eleições 2009(55)

. eleições autárquicas(40)

. eleições europeias(12)

. eleições legislativas(46)

. escola(8)

. escola primária juncal(9)

. eua(8)

. europa(14)

. face oculta(18)

. freeport(14)

. futebol(39)

. futebolês(30)

. governo(6)

. governo ps(39)

. gripe a(8)

. humor(6)

. internacional(18)

. joao salgueiro(38)

. joão salgueiro(15)

. josé sócrates(7)

. júlio pedrosa(10)

. júlio vieira(6)

. juncal(31)

. justiça(11)

. liberdade(11)

. magalhães(6)

. manuela ferreira leite(13)

. médio oriente(10)

. medo(12)

. natal(13)

. obama(6)

. orçamento estado 2010(7)

. pec(8)

. pedro passos coelho(7)

. podcast(11)

. politica(12)

. politica caseira(6)

. porto de mós(119)

. porto de mós e os outros(41)

. portugal(27)

. presidenciais 2011(6)

. ps(48)

. psd(54)

. psd porto de mós(11)

. publico(9)

. religião(6)

. rtp(12)

. s.pedro(6)

. salgueiro(16)

. sócrates(81)

. socrates(62)

. teixeira santos(6)

. tgv(6)

. turismo(8)

. tvi(6)

. twitter(17)

. ue(17)

. vila forte(24)

. todas as tags

.subscrever feeds